Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Operadoras de turismo registram perda de mais de R$ 1 bilhão em abril

A pesquisa faz parte de uma parceria da Braztoa com a UnB e estima que queda de faturamento de operadoras de turismo em 2020 pode chegar a R$ 11,3 bilhões


postado em 27/05/2020 17:00 / atualizado em 28/05/2020 12:41

(foto: Pixabay / Reprodução)
(foto: Pixabay / Reprodução)


Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), em parceria com o Laboratório de Estudos em Sustentabilidade e Turismo da Universidade de Brasília (LETS/UnB), constatou que as perdas das operadoras de turismo no mês de abril passaram de R$ 1 bilhão.

A pesquisa, que tinha o intuito de medir os impactos da pandemia do novo coronavírus, foi feita com associados da Braztoa. O estudo também revela que, em meio a tantos desafios, o ano de 2020 deve ter queda de faturamento que pode ser de R$ 7,7 bilhões a R$ 11,3 bilhões.

A maioria das operadoras (54%) não realizou nenhuma venda no mês. Em março, este número era de 45%. Entre as empresas que conseguiram comercializar viagens, somente 24% venderam produtos de embarques até julho de 2020. 93% delas venderam embarques para o segundo semestre e 84% para o próximo ano.

Das empresas que comercializaram, 64% registraram 90% ou mais de vendas de viagens nacionais, confirmando a tendência de que o faturamento do turismo doméstico seja beneficiado em 2020. O faturamento no mês de abril não foi nem de 10% comparado ao mesmo período em 2019, segundo 80% das empresas.

Isso representa certa de R$ 1,08 bilhão. Além da pandemia, outras dificuldades apontadas são a valorização do dólar e a notícia de que o IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte) sobre remessas foi para 25%. A expectativa para 2020 é uma queda de faturamento de 51% a 75% (R$ 7,7 bi a R$ 11,3 bi) em relação ao faturamento registrado em 2019 (R$ 15,1 bi).

Além disso, para 48% das empresas houve um aumento de pedidos de cancelamento em relação a março: 28% registraram cancelamentos constantes, 18% indicaram diminuição de pedidos e somente 5% não tiveram viagens canceladas.

O estudo ressalta que o impacto econômico da queda das viagens implica também nos fornecedores (hotéis, pousadas, empresas de aluguel de veículos, entre outros) e na economia local, já que os turistas consomem outros serviços além dos oferecidos pelos associados.

Sobre a retomada das viagens, considerando o cenário atual, 58% das empresas esperam comercializar viagens nacionais no segundo semestre de 2020. Enquanto isso, 13% apontam para 2021. Em relação a viagens internacionais, metade indica vendas para o segundo semestre deste ano e 42% apontam para 2021.


Cenários para o turismo mundial


O professor Ian Yeoman, da Universidade Victoria de Wellington, da Nova Zelândia, participa nesta sexta-feira (29), a partir das 17h, do webinar Cenários para o turismo global, que vai promover um debate sobre o futuro do turismo no cenário pós-pandemia.

O docente é especializado em planejamento de cenários futuros e perspectivas da área de viagens, leciona na Escola de Administração da instituição de ensino neozelandesa e é considerado um dos principais profissionais do mundo nesse tema.

O evento é gratuito e terá tradução simultânea para português. As inscrições estão abertas on-line em: https://us02web.zoom.us/webinar/register/WN_el6k3eRMSn-nfLJtmC7v6Q


* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade