Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Dormir mal vira fator de risco para saúde

Associação médica americana conclui que dormir mal deve ser considerado fator de risco para a saúde cardiovascular


06/07/2022 04:00 - atualizado 06/07/2022 11:43

Mais de 80% dos eventos que afetam coração e cérebro podem ser evitados com um estilo de vida saudável
Mais de 80% dos eventos que afetam coração e cérebro podem ser evitados com um estilo de vida saudável (foto: pixi.org/reprodução)
Dormir bem é tão importante para o coração e o cérebro quanto não fumar, fazer exercícios físicos, controlar o colesterol e a pressão arterial, entre outros. Uma nova diretriz da Associação Norte-Americana do Coração (AHA) incluiu os padrões de sono entre os fatores de risco para enfermidades como infarto e acidente vascular cerebral. Em um artigo publicado na revista Circulation, a diretoria do colegiado, que influencia sociedades médicas de todo o mundo, considera que, após 12 anos de avaliações e 2,4 mil pesquisas científicas sobre o tema, a relação entre a qualidade do descanso noturno e a saúde cardiovascular está bem estabelecida.

Há 12 anos, a AHA elaborou uma lista de medidas essenciais para evitar doenças cardiovasculares que, até então, se chamava Life's Simple 7 . Com a atualização, as estratégias sobem para oito. (Veja arte.) De acordo com a associação, nas duas últimas décadas, estudos determinaram que mais de 80% dos eventos que afetam coração e cérebro podem ser evitados por um estilo de vida saudável. Isso inclui dormir o suficiente e com regularidade.
 

 
"Cada pessoa tem seu tempo e padrão de sono, mas dormir menos de sete horas por noite, se deitar depois de 0h e acordar antes das 4h ou depois das 9h já é considerado patológico", aponta o otorrinolaringologista José Netto, especialista em medicina do sono. "A nova métrica da duração do sono (de sete a nove horas) reflete as últimas descobertas científicas: o sono afeta a saúde geral, e as pessoas que têm padrões mais saudáveis gerenciam indicadores de saúde, como peso, pressão arterial ou risco de diabetes tipo 2, de forma mais eficaz", disse, em nota, o presidente da AHA, Donald M. Lloyd-Jones.

As doenças cardiovasculares são as que mais matam no Brasil e no mundo e estão associadas a uma série de fatores de risco. Excetuando o histórico familiar, os agentes que influenciam a saúde do coração e do cérebro são relacionados a estilo de vida e, portanto, modificáveis. Por isso, médicos insistem na importância da higiene do sono: medidas como se deitar e levantar nos mesmos horários, evitar bebidas alcoólicas e refeições pesadas à noite, desligar o celular e não assistir à TV na cama.

Mesmo no caso de ronco e apneia do sono — quando há uma interrupção da respiração por mais de 10 segundos —, é possível reverter os sintomas com algumas intervenções simples. Segundo José Netto, a apneia aumenta em 12 vezes o risco de evento cardiovascular e pode ser evitada combatendo tabagismo e obesidade, que também são fatores de risco para infarto e derrame cerebral. Em casos que envolvem disfunções anatômicas, cirurgias ou uso de aparelhos podem fazer a correção. "O importante é não ignorar a apneia nem o ronco. O impacto na saúde é muito grande", destaca.

OLHAR INTEGRAL Exaustivamente estudada, a relação entre qualidade do sono e risco de enfermidades — não só cardiovasculares — tem múltiplas explicações. As pesquisas que encontraram a associação são observacionais, ou seja, não estabelecem causa e efeito. Porém, Antonio Carlos Chagas, cardiologista do Hcor, em São Paulo, explica que processos fisiológicos desencadeados pela falta do repouso adequado podem comprometer a saúde do coração e do cérebro. "Por exemplo, pessoas com apneia, especialmente obesos e hipertensos, têm níveis de oxigênio alterados. Sem dormir, acorda-se cansado e irritado, o que pode produzir arritmias", diz.

Chagas explica que a inclusão do padrão de sono nas diretrizes da AHA indica que, sozinho, esse fator já aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Porém, o cardiologista lembra que um acúmulo de vulnerabilidades, como também fumar, ter excesso de peso, diabetes 2, colesterol elevado ou hipertensão, é ainda mais perigoso. "O conjunto é muito importante. Mas, sozinha, a qualidade do sono também fornece uma pista importante para que se possa pensar em prevenção", diz o médico, destacando que a publicação norte-americana tem um caráter especialmente educativo.

Para Luciano Drager, cardiologista da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), o principal mérito da publicação da AHA é olhar para o paciente como um todo, apontando que diferentes aspectos da rotina, como hábitos alimentares, atividade física e padrão de sono, influenciam a saúde cardiovascular. "Quando se controlam os vários fatores de risco, maior a longevidade", afirma. Drager, que preside a Associação Brasileira do Sono (ABS), diz que a ampliação das medidas protetivas proposta pelo colegiado norte-americano valoriza a importância do dormir bem.

Em 2018, o médico foi o primeiro autor de um artigo publicado na revista Arquivos Brasileiros de Cardiologia defendendo a importância da qualidade do sono na saúde cardiovascular. "Muitas pessoas, especialmente as mais jovens, pensam que dormir é perda de tempo. Na verdade, a privação do sono influencia na qualidade e na quantidade de vida", ressalta Drager.


palavra de especialista
Carlos Rassi
Professor de cardiologia na Unb e chefe do Pa do Sírio-Libanês, em BSB

Sono deve fazer parte do checape

"O que os estudos têm observado é que infartos e acidentes vasculares cerebrais são mais comuns em pessoas com sono irregular e não restaurador. Já se sabe que a incidência dessas duas condições é maior no período matutino, e isso tem a ver com o ciclo circadiano. De manhã, há maior liberação de cortisol, com aumento da pressão arterial. O sono irregular altera o ciclo circadiano. Não se sabe ainda se tem uma relação de causa e efeito, mas há, sim, uma elevação do risco cardíaco. Nos consultórios, a análise do sono tem de ser feita rotineiramente. Os médicos precisam tocar no assunto, entender a rotina de sono do paciente e orientá-lo a fazer uma higiene do sono: dormir e acordar nos mesmos horários e, quando for dormir, não ficar olhando celular, televisão etc."

O risco ligado ao uso de cigarros eletrônicos entrou na nova lista
O risco ligado ao uso de cigarros eletrônicos entrou na nova lista (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press )

Diretriz ajustada a novos hábitos


A publicação da Associação Americana do Coração (AHA) também atualizou diretrizes preexistentes, além de incluir o padrão de sono como métrica de vida saudável. Entre elas está a inclusão dos cigarros eletrônicos como fator de risco cardiovascular. "Em 2010, quando foi feita a primeira publicação, só se falava na nicotina, porque o cigarro eletrônico não existia. Mas os estudos mostram que esse dispositivo não é tão inocente como se pensava: é altamente viciante e traz inúmeros malefícios", destaca Luciano Drager, cardiologista da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). A AHA considera, agora, que o fumo passivo (não fumantes expostos ao cigarro) pode afetar o coração e o cérebro.

Também recebeu atualização a métrica dos lipídios no sangue que passou a apontar o colesterol não HDL (o "mau colesterol"), em vez do total, como preferencial. Isso porque, além de não ser necessário o jejum para a coleta de sangue, ele é mais fácil de calcular. A AHA sugere, além disso, alterações na leitura da glicemia. "Uma questão interessante é que a AHA considera que esses parâmetros já valem para crianças a partir de 2 anos", destaca Drager. "Hoje, muitas crianças estão com taxas de colesterol alto."

Cada componente da lista elaborada pelo colegiado norte-americano, chamada Life’s Essential 8, é avaliado por uma ferramenta, disponível, em inglês, no site da Associação (https://mlc.heart.org). Há um sistema de pontuação de zero a 100, sendo que escores abaixo de 50 indicam saúde cardiovascular ruim; 50-79 moderada, e acima de 80, alta.

"O Life's Essential 8 é um grande passo à frente em nossa capacidade de identificar quando a saúde cardiovascular pode ser preservada e quando está abaixo do ideal", explicou, em nota, o presidente da AHA, Donald M. Lloyd-Jones. "Devemos concentrar os esforços para melhorar a saúde cardiovascular de todas as pessoas e em todas as fases da vida", concluiu. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade