UAI
Publicidade

Estado de Minas JULGAMENTO NO STF

Moraes acompanha Barroso e vota contra reajuste extra para servidores de MG

Lei aprovada pela ALMG estabelece reajuste acima da inflação para saúde, segurança e educação; governo Zema recorreu ao STF para limitar à recomposição de 10%


23/05/2022 18:58 - atualizado 23/05/2022 19:31

Ministro Alexandre de Moraes em sua cadeira no plenário do STF
Alexandre de Moraes acompanhou voto do ministro Barroso e votou favoravelmente ao governo de MG (foto: STF/Divulgação)
A lei promulgada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). que concedeu reajustes 14% acima da inflação para servidores da saúde e da segurança pública do estado teve os dois primeiros votos contrários no Supremo Tribunal Federal (STF). O placar, de 2 a 0, é favorável ao governo de Minas, que recorreu à Corte para limitar o reajuste à recomposição salarial de 10,06%.

 

Ao votar nesta segunda-feira, o ministro Alexandre de Moraes acompanhou o voto de Luís Roberto Barroso, relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ingressada  pelo Estado. Ambos de manifestaram contrários à decisão do legislativo mineiro.

 

O julgamento é realizado em sessão virtual. Outros nove ministros vão se pronunciar e proferir seu voto até sexta-feira (27/5).

 

O ministro Barroso suspendeu o aumento extra aprovado na ALMG em 21 de abril, atendendo à solicitação do Estado.

 

Caso perca o recursos, o governo de Minas terá que seguir o que diz a lei promulgada pela Assembleia, que estabelece reajuste salarial de 24% para saúde e segurança pública e de 33% para educação.

De acordo com o Estado, o impacto em seus cofres chegaria a R$ 8,68 bilhões.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade