UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Ômicron e Influenza mudam regras do trabalho presencial no governo de Minas

Palácio Tiradentes publicou resolução com novas diretrizes para atividades in loco; critérios para isolamento são endurecidos


17/01/2022 16:52 - atualizado 17/01/2022 17:30

Vista dos prédios da Cidade Administrativa, complexo que abriga repartições da administração estadual em MG
Cidade Administrativa concentra autarquias e secretarias ligadas ao governo de Minas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
O avanço da COVID-19 por causa da variante Ômicron e a subida no número de contaminados pelo vírus da gripe fizeram o governo mineiro editar novas regras para o trabalho nas estruturas ligadas ao poder Executivo estadual - caso da Cidade Administrativa, por exemplo. Agora, servidores com sintomas de síndrome respiratória ficarão afastados das atividades presenciais por até dez dias. O prazo vale, também, para funcionários com exames positivos ou com contato próximo com um infectado.

Se o trabalhador não requisitar licença médica, poderá trabalhar remotamente durante o período de afastamento. Servidores com COVID-19, mas sem sintomas, estão autorizados a retomar o expediente presencial após o quinto dia de isolamento. O retorno, no entanto, é condicionado à apresentação de um teste negativo. Depois do sétimo dia, é possível retornar sem comprovação via exame, desde que indícios da doença não tenham se manifestado nas 24 horas anteriores.

As decisões constam na última edição do Diário Oficial do Estado, publicada no sábado (15/1). Caso haja a necessidade de cumprir licença médica, as horas sem trabalho precisarão ser compensadas posteriormente. Funcionários de escolas estaduais e de hospitais não se enquadram nas novas diretrizes da gestão de Romeu Zema (Novo). Excluídos, ainda, os integrantes das forças de segurança.

O ofício que valida o regramento é assinado por Fábio Baccheretti, secretário de Estado de Saúde, e Luisa Barreto, secretária de Estado de Planejamento e Gestão.

Subnotificação gera queda, mas comparação acende alerta


Após registrar seguidos recordes no número de casos por COVID-19 em 24 horas durante a última semana, chegando a mais de 19 mil em um dia, o boletim epidemiológico desta segunda-feira (17/1), apresentou queda no número de infectados. Mas o recuo tem uma explicação: é reflexo da subnotificação causada pelo fim de semana.

De acordo com a Saúde estadual, nas últimas 24 horas, 4.323 pessoas foram confirmadas com o coronavírus no estado. Foram três mortes. O número de contaminações é menor do que o registrado nos dias anteriores, mas praticamente o dobro quando comparado ao anotado na segunda-feira (10/1) da semana passada, quando houve novos 2.182 casos.

De março de 2020 até hoje, o estado possui um total de 2.362.231 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. No total, já são 56.832 os mortos pela infecção Minas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade