Publicidade

Estado de Minas ACUSAÇÕES

Zambelli diz que Moro tinha 'investigação seletiva' na Lava Jato: 'Predileção em condenar o PT'

Deputada federal e aliada do presidente Jair Bolsonaro acusou ex-ministro de proteger o PSDB


postado em 25/05/2020 12:47 / atualizado em 25/05/2020 12:56

Zambelli acusou Moro um dia depois da entrevista do ex-ministro sobre saída do governo(foto: Reprodução/Instagram)
Zambelli acusou Moro um dia depois da entrevista do ex-ministro sobre saída do governo (foto: Reprodução/Instagram)
entrevista do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro ao Fantástico, da TV Globo, nesse domingo (24), segue repercutindo nos bastidores da política. Nesta segunda-feira (25), a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), acusou Moro de proteger o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) nas investigações da Lava Jato e que era ‘seletivo’ em condenar apenas pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Zambelli disse que na época em que Sérgio Moro era o juiz responsável pela investigação da Lava Jato, apenas uma prisão relevante fora de pessoas ligadas ao PT aconteceu: a do ex-deputado Eduardo Cunha, em 2016. A deputada também afirmou que não houve prisões relacionadas ao ‘Mensalão Tucano’, que investiga um forte desvio de dinheiro de estatais de Minas para a campanha de Eduardo Azeredo à reeleição para o governo estadual, em 1998. Azeredo foi preso em maio de 2018 e solto em novembro do ano passado.

“Durante o período em que o Sergio Moro ficou como juiz, a única pessoa que ele prendeu fora do PT, de grande escala, foi o Eduardo Cunha. Não tivemos prisões no mensalão tucano, de vários mensaleiros tucanos que já estavam sem foro privilegiado”, disse Zambelli, em entrevista ao programa ‘Timeline’, da Rádio Gaúcha.

Perguntada por um dos apresentadores do programa se Moro protegia o PSDB, Zambelli afirmou que ‘era isso que queria dizer'. A deputada espera uma candidatura de Moro nas próximas eleições, mas que ainda não sabe por qual partido o ex-ministro sairá. A aliada de Bolsonaro reforçou as críticas ao ex-juiz dizendo que ele preferia investigar e condenar membros do PT.

“Eu não sei se ele será candidato pelo PSDB ou Podemos, do Álvaro Dias (senador pelo Paraná), mas eu acho que ele tinha predileção de investigar e condenar o PT, legitimamente”, afirmou.

A deputada disse que chegou a tal conclusão após comentários de agentes da Polícia Federal de que a ‘Lava Jato era muito em cima do PT'.

Zambelli também acusou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ), de usar a Polícia Civil para investigar o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filhos de Jair Bolsonaro, em benefício próprio. De acordo com a deputada, ex-aliados de Witzel disseram a ela que o governador pretende lançar sua candidatura à presidência em 2022.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade