Publicidade

Estado de Minas DUROU POUCO

Bolsonaro anuncia saída de Regina Duarte da Secretaria da Cultura

Divulgação foi feita em um vídeo, entre abraços, elogios, agradecimentos, promessas, e a atriz ganhando uma saída para a Cinemateca


postado em 20/05/2020 10:07 / atualizado em 20/05/2020 11:55


O presidente Jair Bolsonaro encontrou uma saída para retirar Regina Duarte do cargo de Secretária Especial da Cultura. Nesta quarta-feira(20), o presidente usou as redes sociais para anunciar que a atriz irá assumir a Cinemateca (órgão subordinado à secretaria), em São Paulo, nos próximos dias.

 

O anúncio foi feito em frente ao Palácio do Planalto, entre abraços, elogios, agradecimentos e promessas. "Vai me prometer que quando vier (ele, Bolsonaro) a São Paulo, me acompanhará", disse um Bolsonaro sorridente, depois de responder ao questionamento se ele a estava "fritando" - termo usado no jargão político para o aviso prévio a quem ocupa cargo de confiança na adminsitração pública.

 

Bolsonaro negou, justificando que a culpa era da imprensa, ao informar que a atriz estava sendo ''fritada' no governo, conforme vídeo divulgado pelo próprio presidente em suas redes sociais. Para Bolsonaro, o objetivo era apenas o de 'desestabilizar" a sua gestão e  ''jogar a gente ( governo) no chão''.

 

Regina agradeceu a explicação e a indicação para o novo cargo, afirmando que trata-se de 'um presente, um sonho". Segundo a atriz justificou, ela está sentindo muita falta dos filhos, netos e da família.  ''Você vai ser muito feliz, com a cinemateca ao lado da sua casa", completou o presidente.

 

Entre fritura e polêmicas

 

A atriz Regina Duarte levou um tempo para assumir a Secretaria especial da Cultura, que ela e Bolsonaro classificaram como namoronoivado e casamento. Já neste momento, antes de assumir o cargo, ela enfrentou desgates com a classe artística, com diversos colegas usando as redes sociais para que ela não  dissesse que tinha o apoio deles para participar do governo Bolsonaro.

 

Após assumir o cargo, no dia 4 de março passado, no discurso de posse, Regina começou a ser desautorizada pelo presidente, afirmando que ele tinha o poder de veto na indicação de cargos na secretaria.

E assim aconteceu com colaboradores sendo vetados, exonerados e nomeados durante esse período de pouco mais de dois meses no comando da Secretaria Especial da Cultura.

 

Bolsonaro chegou a admitir de público dificuldades de Regina de ocupar o cargo.

 

A atriz também participou de uma entrevista no canal CNN Brasil, em que deu um 'chilique', de acordo com palavra usada pela própria atriz, e usou de ironia para minimizar a ditadura militar  (1964/1985) e a tortura de presos políticos, entre outros assuntos delicados e de forte impacto na sociedade brasileira, como a pandemia do coronavírus.

 

 

 

 

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade