Publicidade

Estado de Minas

Zema defende privatizações e fala em meta de gerar empregos

Governador usou as redes sociais nesta sexta-feira para divulgar números do Caged. Ele contabiliza dois terços dos 150 mil postos que prevê para o ano


postado em 23/08/2019 12:36 / atualizado em 23/08/2019 13:01


O governador Romeu Zema (Novo) defendeu as privatizações na manhã desta sexta-feira (23). Pelo Twitter, afirmou que as 17 desestatizações previstas pelo governo federal, cuja arrecadação prevista é de R$ 1,3 trilhão, são muito importantes para o país. “Pois sabemos que as estatais sofrem interferências políticas que vão contra o sentido delas existirem”.

Ainda de acordo com Zema, as privatizações são o caminho para o estado focar no que a população precisa: “educação, saúde e segurança”.



Zema deve enviar à Assembleia em breve propostas necessárias para Minas aderir ao regime de recuperação fiscal oferecido pelo governo federal. Entre elas estará incluída a de privatização da Cemig.

Empregos


Também nesta sexta-feira, o governador afirmou ter cumprido dois terços de sua meta de gerar 150 mil empregos em Minas Gerais neste ano. “Segundo o Caged, o Estado criou 10.609 novas vagas em julho, totalizando 99.946 postos de trabalho de janeiro até agora”, escreveu também no Twitter.

Nesta sexta-feira, o governador cumpre agenda em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri.

Ao participar da Exponor, disse que Minas e o Brasil vivem uma nova era de desenvolvimento, comparável ao período do Plano Real, que acabou com a inflação. “O Brasil agora está tendo uma mudança que vai acabar com essa estagnação, com essas amarras ao setor produtivo”, disse, pedindo em seguida palmas para os deputados que, segundo ele, estão participando deste processo.


Publicidade