Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: Pacientes com sequelas ocupam 60% das UTIs no Amazonas

Governo do estado revelou que a maioria das unidades de terapia intensiva estão tomadas para tratamento de danos decorrentes da doença


27/10/2020 15:27 - atualizado 27/10/2020 16:03

Governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), em coletiva. 60% dos pacientes em UTI's no estado são de pessoas com sequelas (foto: Secom/Governo do Amazonas/Reprodução)
Governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), em coletiva. 60% dos pacientes em UTI's no estado são de pessoas com sequelas (foto: Secom/Governo do Amazonas/Reprodução)
No estado do Amazonas, 60% dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI’s) do hospital referência para tratamento da COVID-19 estão ocupados por pacientes que sofrem com lesões físicas decorrentes da doença. Os dados foram revelados durante coletiva do governo estadual nesta terça-feira (27).

 

O governo do estado comunicou que 94% dos leitos de UTI’s do Hospital Delphina Aziz estão tomados, mas que a maioria dos pacientes das unidades intensivas não estão mais contaminadas com o novo coronavírus. “Há pacientes há seis meses em UTI”, alertou o governador Wilson Lima (PSC).

 

“As principais sequelas hoje são insuficiência renal, aguda e crônica, lesões pulmonares permanentes, em todos os níveis e, em alguns casos, os pacientes começam a desenvolver hipertensão crônica”, adverte o secretário executivo adjunto de Atenção à Urgência e Emergência, Moab Amorim. Segundo ele, na capital Manaus, de 3% a 4% dos infectados com o novo coronavírus apresentam algum tipo de sequela.

 

Segunda onda?

 

O governo do Amazonas negou que o estado esteja passando por uma segunda onda da pandemia, mas anunciou reforço na rede de saúde. Serão abertos 42 novos leitos de UTI para suprir a demanda crescente no estado. Segundo a Fundação de Vigilância Sanitária (FVS-AM), a taxa de ocupação de leitos clínicos destinados à Covid-19 na rede estadual cresceu 51% nos últimos 14 dias.

 

De acordo com dados da FVS-AM, a média móvel de casos de Covid-19 evoluiu 23% no Amazonas nos últimos 14 dias. Em Manaus, a alta de casos no período foi de 55%. A média móvel de mortes por Covid-19 no Amazonas evoluiu 36% também nesse mesmo período.

 

Wilson Lima considera que o aumento de aglomerações em função de eventos de campanhas eleitorais e o início do período sazonal de ocorrência de Síndromes Respiratórias Agudas (SRAGs) no Amazonas, com a antecipação do período de chuvas, são os principais responsáveis pela evolução da doença no estado.

 

“Os eventos políticos, convenções, reuniões, caminhadas fizeram com que os casos aumentassem no interior, e nós estamos também tendo a antecipação do período chuvoso. Isso acaba gerando o aumento de síndromes respiratórias, e todo esse cenário tem causado uma pressão sobre nossa rede. Diante disso, a gente está tomando algumas atitudes, algumas iniciativas, entre elas a prorrogação do decreto de restrição, que continua”, afirmou o governador em entrevista.

 

O governo prorrogou um decreto com restrições de atividades no estado, com a finalidade de diminuir os níveis de contaminação. Com a decisão, fica suspenso, por mais 30 dias, o acesso às áreas de praias para recreação e o funcionamento de balneários, flutuantes e bares. O decreto também proíbe a realização de eventos em casas noturnas, boates, casas de shows e clubes. O descumprimento das normas prevê multa diária de até R$ 50 mil reais.

 

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

*Estagiário sob supervisão da editora Liliane Corrêa 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade