UAI
Publicidade

Estado de Minas VACINAÇÃO

Passe sanitário imposto por Macron impulsiona vacinação antiCOVID na França

Mesmo com alguns poucos protestos, presidente francês manteve o passe para entrada em restaurantes, bares, academias e museus


02/09/2021 09:58 - atualizado 02/09/2021 10:19

None
(foto: ALAIN JOCARD / AFP)
Apesar dos protestos semanais, o passe sanitário impulsionou a vacinação contra a COVID-19 em uma França antes atrasada e conseguiu angariar o apoio da maioria da população, sete meses antes da eleição presidencial.

Sete semanas após o anúncio do presidente Emmanuel Macron, os franceses já estão acostumados a exibir seu certificado em restaurantes, bares, academias e museus.

Pessoas totalmente imunizadas têm acesso a essa chave para uma vida social e cultural mais ampla, bem como aqueles que tiveram um teste de diagnóstico negativo ou superaram a COVID-19 nos últimos seis meses.

"No início, não achei que funcionaria", mas "as pessoas entenderam e é relativamente respeitado", diz Djillali Annane, chefe do serviço de reanimação do hospital Raymond-Poincare em Garches, na região de Paris.

Apesar das críticas a uma medida considerada discriminatória para os não vacinados, milhões de pessoas deram um passo em direção à imunização para evitar fazer exames diagnósticos a cada três dias.

Em relação aos vacinados com pelo menos uma dose, a França ultrapassou nas últimas semanas os Estados Unidos e a Alemanha, assim como o Reino Unido e a Itália, segundo dados oficiais analisados pela AFP.

A segunda economia da União Europeia (UE) administrou ao menos uma dose a 72,3% de sua população e, junto com Suécia e Finlândia, vacina em um ritmo acelerado: 0,6% da população por dia.

Mas ainda está longe de alcançar os países europeus mais avançados, como Espanha, Malta e Portugal, onde mais de 80% das pessoas receberam a primeira dose.

Injeção de moral


Para Macron, que deve disputar um segundo mandato nas eleições presidenciais marcadas para abril, a resposta favorável ao sistema de passe sanitário fortaleceu seu governo, segundo pesquisas.

De acordo com pesquisas recentes do Elabe, entre 64% e 77% dos franceses apoiam essa medida, e a confiança na gestão governamental da crise está em seu nível mais alto desde o início da pandemia.

Para Bernard Sananes, diretor do Elabe, o presidente de 43 anos "dá a impressão de ter atravessado a crise com momentos difíceis, mas sem deixar espaço para uma alternativa, para que ninguém diga: 'Fulano teria feito melhor'".
None
(foto: SEBASTIEN BOZON / AFP)

A falta de máscaras no início da crise e a lentidão inicial da campanha de vacinação representaram, no entanto, munição para seus adversários, entre eles sua rival de extrema direita Marine Le Pen.

O passe sanitário também provocou a ira de alguns setores, que protestam todos os sábados para denunciar a "ditadura" imposta pelo presidente.

Alguns manifestantes não vacinados até exibiram uma estrela amarela para se comparar aos judeus perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial, um paralelo criticado pelos sobreviventes do Holocausto.

Em parte por causa desses excessos, os protestos não angariaram amplo apoio, ao contrário de outros movimentos durante o mandato turbulento de Macron, como os "coletes amarelos" em 2018 e 2019.

"Para a maioria das pessoas, mostrar o celular na entrada de um restaurante se tornou um costume. Os manifestantes não tiveram sucesso no terreno ideológico", comentou Sananes à AFP.

A oposição, porém, é "uma minoria, mas não é marginal", com entre 20% e 25% de apoio, adverte.

Com o início do ano letivo e o retorno ao trabalho após as férias de verão, os médicos se preparam para um possível aumento das infecções, que atualmente chega a uma média de 17 mil por dia.

"O vetor da epidemia serão as pessoas não vacinadas", disse a epidemiologista Catherine Hill à AFP, para quem entre essas quase 20 milhões de pessoas "o vírus pode continuar a circular".

E independente dos sucessos de curto prazo, "estamos à mercê de uma nova variante", enfatiza.

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre  sintomas prevenção pesquisa  vacinação .
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara?  Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina?   Posso beber após vacinar?  Confira esta e outras  perguntas e respostas sobre a COVID-19 .

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade