Publicidade

Estado de Minas PREOCUPAÇÃO

Diretor-geral da OMS pede o fim da politização da COVID-19

Organização está em alerta para a segunda onda da pandemia


26/10/2020 16:23 - atualizado 26/10/2020 16:59

O diretor-geral da OMS se mostrou preocupado com o recorde de casos diários de COVID-19 na última semana e pediu o fim da politização da doença (foto: Fabrice COFFRINI/AFP)
O diretor-geral da OMS se mostrou preocupado com o recorde de casos diários de COVID-19 na última semana e pediu o fim da politização da doença (foto: Fabrice COFFRINI/AFP)
Nesta segunda-feira (26), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, demonstrou preocupação com o avanço da COVID-19, principalmente, pelos países do Hemisfério Norte.

De acordo com a organização, na semana passada, houve um recorde diário de novos casos registrados da doença.
 

“A semana passada testemunhou o maior número de casos de COVID-19 relatados até agora. Muitos países do hemisfério norte estão vendo um aumento preocupante de casos e hospitalizações. As UTIs estão chegando na sua capacidade em alguns lugares, especialmente na Europa e América do Norte.

O diretor-geral também pediu que alguns países parem de politizar a pandemia. Sem citar nomes, ele disse que lugares onde houve divisão política a nível nacional, desrespeito pela ciência e pelos profissionais de saúde tiveram aumento considerável dos casos e mortes da COVID-19. No entanto, países que "seguiram a ciência" conseguiram controlar a pandemia.

“Uma pandemia não é um (jogo de) futebol político. O pensamento positivo ou o desvio intencional não impedem as transmissões ou salvam vidas. O que vai salvar vidas é a ciência, soluções e solidariedade”, disse Tedros. 

Já o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, pediu que os países façam testagem em massa, e não apenas dos casos suspeitos. Segundo ele, o objetivo dos testes é identificar quem está com o vírus e não liberar do isolamento e distanciamento quem não está infectado. "Testar não é um passaporte para você poder fazer o que quiser", ressaltou.

Segundo a OMS, nesta segunda, o mundo se aproxima dos 42 milhões de casos de coronavírus e do 1,151 milhão de mortes pela infecção. Além disso, o vírus circula em 218 países.
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  
 

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade