UAI
Publicidade

Estado de Minas DIFICULDADE

Teste de COVID-19 tem fila e estoque em baixa em BH

Além do laboratório Hermes Pardini, Lustosa e São Marcos têm dificuldades de renovar estoques, adotam agendamento e outras medidas para atender a população


18/01/2022 06:00 - atualizado 18/01/2022 08:50

Fila para testagem em unidade de grande rede de drogarias da capital
Corrida afeta também as drogarias, onde os serviços de testagem são vendidos por R$ 120 a R$ 270 (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

Com o avanço das contaminações pela variante Ômicron do coronavírus, mais laboratórios de Belo Horizonte esbarram em restrições para atender à demanda da população por testes. Outro fator de pressão é exercido pelo surto gripal. Como mostrou a reportagem do Estado de Minas, no domingo o estoque de um dos maiores laboratórios do estado, o Hermes Pardini, chegou ao fim na central da empresa. Ontem, ao menos mais duas redes, Lustosa e São Marcos, informaram estar lidando com escassez de insumos para o exame ou dificuldade de suprir a demanda pelo serviço.

No Laboratório Lustosa, com 20 unidades instaladas na capital mineira, a pesquisa de antígenos para o Sars-Cov-2, o chamado teste rápido, está suspensa por falta de insumos. Segundo a empresa, há previsão de chegada de novos lotes entre os dias 24 e 28. 

A situação é semelhante no Laboratório São Marcos, com 57 lojas em BH. A empresa informou que a agenda está apertada, embora não tenha deixado de realizar nenhum tipo de diagnóstico. A realização do RT-PCR passou a exigir marcação prévia. 

No Grupo Pardini, a boa notícia é que o serviço foi normalizado, com reposição de estoques.

Contudo, os prazos de entrega de resultados estão mais longos nos laboratórios. A entrega do RT-PCR COVID-19 teve o período estendido de dois para três dias úteis no Lustosa. Na modalidade express, o limite foi mantido em um dia útil. O Hermes Pardini informa estar se esforçando nos atendimentos. “Pedimos compreensão aos clientes neste momento crítico da pandemia, mas reforçamos que permanecemos fazendo o possível”, disse a empresa em nota. O São Marcos não comentou eventuais mudança em prazos de entrega de resultados.

A manhã de ontem transcorreu com fila para a realização de testes de COVID-19 na unidade da Drogaria Araujo instalada no Bairro Cidade Nova. Os preços cobrados variavam de R$ 120 a R$ 270.  O aposentado Eduardo Fontoura, de 68 anos, aguardava ao menos uma dezena de pessoas a sua frente.

Danielle Felipe e Leonardo Ferreira
"Parece que estamos de volta a 2020. Que filme de terrror. Mas, fazer o quê?" - Danielle Felipe, contadora, que buscou diagnóstico, ao lado de Leonardo Ferreira (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)


“Não tem para onde correr. Em todo lugar está assim. Aqui, ao menos espero ao ar livre e me protejo da contaminação”, comentou Fontoura. A contadora Danielle Felipe e o advogado Leonardo Ferreira também buscaram ontem fazer diagnóstico na loja. “Parece que estamos de volta a 2020. Que filme de terror. Mas, fazer o quê?”, disse Danielle, conformada.

Acelerado 

O Grupo Hermes Pardini informou à reportagem que processa cerca de 20 mil testes RT-PCR por dia, dos quais 5 mil somente em BH. Há 45 dias, eram feitos por volta de 700 a 750 testes diários na capital mineira. “Pedimos a compreensão dos clientes”, ponderou o vice-presidente da companhia, Alessandro Vieira. Em Minas Gerais, o laboratório registrou crescimento de 9% no volume de testes de COVID RT-PCR em relação à média móvel dos últimos 14 dias. A empresa registra parcela positiva de 43,2% do total de resultados.

A Secretaria de Saúde de BH informou que está abastecida com kits de testes para COVID-19. “Todos os pacientes que procuram as UPAs (unidades de pronto-atendimento) e centros de saúde, com sintomas respiratórios, são testados por meio de teste antígeno (teste rápido) para COVID-19, para diagnóstico diferenciado”, informou, por meio de nota. 

Grávidas, puérperas ou pessoas com comorbidade que tiverem sintomas respiratórios, com teste rápido negativo, são submetidas também ao PCR para diagnóstico definitivo.
 

Leia mais sobre a COVID-19

Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomasprevençãopesquisa vacinação.
 

Confira respostas a 15 dúvidas mais comuns

Guia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.

Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade