UAI
Publicidade

Estado de Minas SEGURANÇA

'Não é à toa que temos o estado mais seguro do Brasil', diz porta-voz da PM

Para tenente-coronel Flávio Santiago, chefe da assessoria de imprensa da PM, ação em Varginha, que deixou 25 criminosos mortos, é um recado para os bandidos


31/10/2021 11:30 - atualizado 31/10/2021 12:37

Armas apreendidas
Polícia encontrou arsenal de guerra com os bandidos em Varginha (foto: REPRODUÇÃO/ALTEROSA SUL DE MINAS)

A ação conjunta da da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal em Varginha, no Sul de Minas,  que deixou 25 criminosos do chamado "novo cangaço" mortos neste domingo (31/10),  vem repercutindo em todo o país. Para o tenente-coronel Flávio Santiago, chefe da assessoria de imprensa da PM, este é um claro recado para a criminalidade. “Não é à toa que temos o estado mais seguro do Brasil”, disse.


Na avaliação do tenente-coronel, a operação – que flagrou uma quadrilha inteira que se preparava para causar o terror em Varginha – serve para ressaltar uma pesquisa da Secretaria Nacional de Segurança Pública, que aponta Minas Gerais como o estado mais seguro do Brasil.

Leia:   Secretário de Segurança: 'Operação em Varginha é um marco para a história'


“Nós fazemos um trabalho preventivo, que possibilita que tenhamos segurança de verdade. Essa ação mostra o trabalho de sinergia e também a importância do Serviço de Inteligência da PM e também da integração das forças de segurança do estado e nacionais. Isso tem feito a diferença”, diz o tenente-coronel Santiago.


Leia:   Arsenal de quadrilha morta em operação no Sul de Minas é de guerra, diz PM

Ele ressalta ainda que o objetivo é buscar um nível "quase zero" de violência em Minas. “Lutamos para criar um espaço para nossos filhos e netos e com o estado cada vez mais seguro, importante para empreender. Manter o estado incólume. Reduzir a violência, a um nível quase zero, permitirá ter nossas praças e ruas para as família”.


Resgate da história


A ação da PM e da PRF em Varginha evoca lembranças de  em que policiais civis e militares alardeavam, com razão, que Minas Gerais não é um lugar para criminosos.


O ex-delegado João Reis, que foi chefe do Departamento de Operações Especiais (Deoesp) da Polícia Civil de Minas Gerais ressaltava, nos anos 1990, a atuação policial no estado. “Não adianta esses criminosos virem para cá, pois aqui não terão vez”, costumava dizer. João Reis ficou famoso por investigar e esclarecer, 44 sequestros em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, libertando vários reféns.



 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade