UAI
Publicidade

Estado de Minas CLIMA

Chuvas mudam de rumo e podem dar trégua a BH

Intensidade das precipitações cai na capital, enquanto a umidade se desloca e leva ameaça de tempestades ao Norte de Minas e Jequitinhonha, prevê o Inmet


21/10/2021 06:00 - atualizado 21/10/2021 07:56

Pedestres com guarda-chuvas na Avenida Afonso Pena, em BH
Os guarda-chuvas, que se impuseram na paisagem de Belo Horizonte até ontem, poderão "ficar de folga" durante parte do dia hoje (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

A chuva que marcou o início da semana dos mineiros deve se manter nesta quinta-feira (21/10), mas em intensidade bem menor. É o que prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), em informe divulgado à imprensa. De acordo com o Inmet, o canal de umidade, que vem desde a floresta amazônica e abrangeu as regiões Centro-Oeste e Sudeste do país, começa a se posicionar mais ao Norte de Minas e no Vale do Jequitinhonha, em direção à Bahia, o que significa folga, ainda que não durante todo o dia, para os guarda-chuvas dos belo-horizontinos.

Ainda assim, o Inmet chama a atenção para a umidade em excesso que Minas Gerais apresenta nesta semana. Portanto, “qualquer mormaço ou abertura de sol” potencializa a ocorrência de pancadas de chuva, até mesmo com trovoadas isoladas. Assim, vale sempre ficar de olho nas recomendações e alertas da Defesa Civil. No Norte do estado, há risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas, com tempestades e acumulados de chuva que podem passar dos 100 milímetros.

Ontem, o Inmet registrou 27,8 milímetros de chuva na Estação Meteorológica do Cercadinho, situada no Oeste de Belo Horizonte. Na estação da Pampulha, o instituto contabilizou 17mm. Esses dados já estão bem aquém do recorde histórico de outubro, computado na segunda, quando as precipitações chegaram a 80,2mm em BH, mas não livraram a cidade de transtornos, como os alagamentos registrados na marginal do Anel Rodoviário, próximo do Aeroporto Carlos Prates, no Bairro Padre Eustáquio, Região Noroeste da cidade.

Alagamento próximo ao Anel Rodoviário, no Padre Eustáquio, em dia de chuva em BH
Apesar de registrar volumes menores ontem em relação ao recorde de segunda, as chuvas causaram transtornos no trânsito no Padre Eustáquio (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


Risco geológico


Apesar do possível recuo das tempestades, a Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil (Supdec) de BH alertou ontem para risco geológico alto em todas as regionais da capital mineira até segunda-feira (25/10). O belo-horizontino precisa ficar atento a sinais de deslizamentos em suas residências, como trincas nas paredes, água empoçada, rachaduras no solo e inclinação de postes e árvores. O mesmo vale para portas e janelas emperrando e minas d’água em barrancos.
Em caso de detecção de algum desses sinais, o morador deve acionar a Defesa Civil pelo 199. A população também pode cadastrar seu celular na central de alertas do órgão. Basta enviar uma mensagem de texto (SMS) para o número 40199 com o número do seu CEP. O serviço não tem custo. A Supdec também mantém o cidadão informado por meio das redes sociais (@defesacivilbh).
Para evitar qualquer risco geológico, a Defesa Civil pede para que o morador coloque calha no telhado de sua residência e consertar vazamentos em reservatórios e/ou caixas d'água. Também recomenda não jogar lixo em encostas, não despejar água ou esgoto em barrancos e não realizar queimadas.

Ouro Preto


Ontem, a Prefeitura de Ouro Preto, cidade da Região Central de Minas que foi arrasada pela chuva nos últimos dias, deu continuidade às intervenções para drenagem das enchentes nos distritos de Amarantina, Santo Antônio do Leite e Chachoeira do Campo.

As obras envolvem pavimentações, readequações do solo e finalização de intervenções que estavam paradas. Em Amarantina, o prefeito Angelo Oswaldo (PV) visitou a Escola Municipal Major Raimundo Felicíssimo, a Rua São Gonçalo e o Centro do distrito. Ele também foi a Santo Antônio do Leite, onde passou pelas ruas Niterói da Feirinha, 21 de Abril, 12 de Março e 10 de Março. Já em Cachoeira do Campo, a equipe percorreu o Bairro Dionísio.

A prefeitura suspendeu a visitação ao Parque Municipal das Andorinhas, onde está a nascente do Rio das Velhas, por conta das fortes chuvas. O objetivo é evitar acidentes com possíveis trombas-d'água.

Apesar de pelo menos 25 famílias terem ficado desalojadas por conta das chuvas em Ouro Preto, o boletim diário da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais (Cedec/MG) não traz dados específicos sobre a cidade histórica. “Até o fechamento da edição deste boletim, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil não recebeu nenhuma comunicação de municípios ou de órgãos componentes do Sistema de Defesa Civil referente a desastres ou eventos adversos ocorridos no estado nas últimas 24 horas”, destaca o balanço.

O boletim registra um total de oito cidades com danos humanos – uma a mais do que no balanço de terça-feira  – desde o início do período chuvoso 2021/2022, que vai até março, com uma morte, em Uberaba. Além disso, 15 pessoas ficaram desabrigadas, 353 desalojadas e 373 são listadas como “outros afetados”.

Riscos


Dias depois de ter registrado índices de umidade relativa do ar abaixo dos 30%, o Norte de Minas se vê agora em um outro extremo: com possibilidade de tempestades com grande potencial de destruição. A frente fria que está em Minas desde o começo da semana avançou para a região e ligou ontem o alerta do Inmet. Risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas, com tempestades e acumulados de chuva que podem passar dos 100mm prossegue hoje. Os ventos podem chegar a 100km/h.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade