UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Pediatra sobre suspensão da vacinação de adolescentes: 'Sem fundamento'

Médica da UFMG diz que medida anunciada pelo Ministério da Saúde compromete o Plano Nacional de Imunização e escancara negligência à saúde do adolescente


16/09/2021 15:28 - atualizado 17/09/2021 18:42

Em BH, prefeitura diz que vai manter a vacinação de adolescentes apenas para o público com comorbidades, deficiências permanentes e com privação de liberdade.
Em BH, prefeitura diz que vai manter a vacinação de adolescentes apenas para o público com comorbidades, deficiências permanentes e com privação de liberdade. (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Para a pediatra e professora da Faculdade de Medicina da UFMG, Cristina Alvim, a decisão do Ministério da Saúde de suspender a vacinação de adolescentes sem comorbidades é, "no mínimo, equivocada".

A medida foi divulgada por meio de nota técnica emitida pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à COVID-19 (SEI/MS) na noite dessa quarta-feira (15/9). Até então, a imunização ampla de jovens de 12 a 17 anos estava oficialmente recomendada.


“Não vejo fundamento nos argumentos apresentados pelo Ministério da Saúde. Suspender a proteção dos adolescentes compromete não só a saúde deles, como a própria efetividade do Plano Nacional de Imunização”, diz a especialista

OMS

Como justificativa para revogar a proteção ampla do grupo, o governo federal afirma que a "Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades". 

A afirmação é parcialmente verdadeira. No fim de agosto, a diretora-geral assistente para Medicamentos e Vacinação da agência, Mariângela Simão, de fato, pediu cautela na imunização deste público, alegando que a relação de benefício ainda não está comprovada. Na mesma ocasião, porém, a dirigente reforçou que adolescentes com doenças associadas precisam ser vacinados contra o coronavírus, uma vez que são mais vulneráveis à forma grave da COVID-19.

Cristina acrescenta que os alertas da OMS também precisam ser considerados no contexto da escassez de vacinas enfrentada por muitos países ao longo da pandemia. 

“Desde o início do ano, a OMS chama atenção para o descompasso da vacinação no mundo. Países ricos começaram a proteger crianças e adolescentes já em março, enquanto os menos desenvolvidos mal conseguiam iniciar suas campanhas. O órgão, então, passou a alertar que a vacinação de jovens de 12 a 17 anos era menos urgente, sugerindo uma cooperação entre os governos para um avanço global no combate à pandemia”, afirma a pediatra.

“Mas isso não se aplica ao Brasil neste momento. Nas cidades onde os adultos já foram todos protegidos com ao menos uma dose, o mais sensato é avançar para a imunização de adolescentes, tal como foi feito  nos EUA, no Canadá, em Israel, na França, no Chile e muitos outros lugares”, complementou.

Segundo a pediatra, as vacinas aprovadas pela Anvisa são comprovadamente seguras para os adolescentes e protegê-los contribui para o sucesso da campanha como um todo. 
Pessoas vacinadas, afinal, têm até 49% menos probabilidade de transmitir o vírus nos ambientes que frequentam. Por outro lado, pondera a médica, adolescentes não imunizados podem se tornar nicho de novas variantes, inclusive mais adaptadas e nocivas a eles.

Negligência

Outro ponto defendido pela médica é que a saúde dos jovens de 12 a 17 anos, apesar de pouco debatida durante a pandemia, foi significativamente impactada pela doença e não deve ser negligenciada.

Cristina diz que a situação foi constatata em um estudo desenvolvido por pesquisadores da UFMG, cuja conclusão é de que o número de óbitos pelo Sars-Cov-2 em crianças e adolescentes no Brasil foi sete vezes maior do que no Reino Unido em decorrência de situações de vulnerabilidade socioeconômica. 

“Temos também dados da Sociedade Brasileira de Pediatria: 2 mil adolescentes morreram de COVID-19 desde o início da pandemia. Esse número supera a soma de mortos por todas as doenças imunopreveníveis na infância no país. O peso da COVID sobre esses jovens, portanto, é significativo e merece atenção. A saúde do adolescente, mais uma vez, está sendo negligenciada”, conclui a pequisadora.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade