UAI
Publicidade

Estado de Minas RACISMO É CRIME!

Em Minas, Polícia Civil indicia homem por publicação racista no Facebook

O homem que fez a postagem no seu perfil do Facebook disse que estava brincando e não dirigiu a mensagem a uma pessoa. O delegado não aceitou a desculpa


10/09/2021 18:14 - atualizado 10/09/2021 18:36


A publicação no Facebook rendeu indiciamento por racismo no interior de Minas
A publicação no Facebook rendeu indiciamento por racismo no interior de Minas (foto: Reprodução/Redes Sociais e Reprodução/Google Street View)
 
A Polícia Militar prendeu nesta sexta-feira (10/9), em Ubaporanga, no Vale do Rio Doce, um homem de 43 anos de idade, acusado de  prática de racismo nas redes sociais . Ele postou em seu perfil, no Facebook, uma mensagem considerada racista por um internauta, que, ao ler, printou a postagem e chamou a polícia.
 
“Preto é gente só quando tá dentro do banheiro. Você bate na porta e eles dizem: tem gente?”. Esta foi a mensagem que levou o autor à prisão. A primeira pessoa para a qual o denunciante mostrou o print foi um sargento da PM, que em 18 de março de 2021 foi vítima de injúria racial praticado pelo mesmo autor da postagem. A Polícia Militar foi à casa do autor da mensagem e o conduziu até a delegacia.
 
O delegado de Polícia Civil de Caratinga, Ivan Sales, que indiciou o homem por racismo, diz que, ao ser ouvido pelos policiais de plantão, o suspeito afirmou que a postagem era uma brincadeira e que ele não havia se dirigido a uma pessoa, especificamente.
 
A postagem foi redigida com erros ortográficos e gramaticais, mas deixou evidente o crime de racismo
A postagem foi redigida com erros ortográficos e gramaticais, mas deixou evidente o crime de racismo (foto: Reprodução/Redes Sociais)
 
 
“Essa justificativa dele não convenceu a Polícia Civil. Em março deste ano ele já havia tomado atitude semelhante, ao chamar um sargento da Polícia Militar de ‘macacão’. Então, ele sabe que a conduta dele foi criminosa”, explica o delegado.
 
Segundo o delegado, as pessoas não têm levado a sério o comportamento nas redes sociais. “As pessoas precisam parar de pensar que rede social é terra de ninguém. Liberdade de expressão não significa ter liberdade para praticar crimes”, alerta.
 
Mesmo com o indiciado afirmando que a postagem era uma brincadeira, e que não era dirigida a uma pessoa específica, o delegado fez o indiciamento por crime de racismo, porque discriminação do povo negro. O inquérito policial foi encaminhado ao judiciário. 

Se for condenado, ele poderá pegar de 2 a 5 anos de prisão e pagamento de multa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade