UAI
Publicidade

Estado de Minas FORÇA-TAREFA

Contra cepa Delta, Minas amplia testes genômicos; contatos são monitorados

Estado tem quatro casos de variante surgida na Índia, e exames são forma de barrar transmissão comunitária


05/08/2021 14:43 - atualizado 05/08/2021 17:15

Baccheretti, que chefia a Saúde em MG, atualizou situação da pandemia no estado(foto: Fábio Marchetto/SES-MG)
Baccheretti, que chefia a Saúde em MG, atualizou situação da pandemia no estado (foto: Fábio Marchetto/SES-MG)
Para acompanhar a situação da variante Delta da COVID-19 em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) aposta no aumento do número de testes genômicos, tipo de exame capaz de detectar a cepa. Quatro casos já foram detectados: dois em Belo Horizonte, um em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e outro em Virginópolis de Minas, no Vale do Rio Doce.

Nesta quinta-feira (5/8), o secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, disse que o estado tem feito cerca de 180 exames genômicos semanais, distribuídos por nove macrorregiões. Os testes são fruto de parceria entre a Fundação Ezequiel Dias (Funed) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

"As macrorregiões Sudeste, Leste do Sul e Sul, que são muito próximas de estados em que a variante Delta vem predominando, com movimentação comum de pessoas, serão as áreas com maior testagem. Estamos aumentando os testes genômicos e fazendo esse acompanhamento", afirmou, citando como exemplo as regiões de fronteira com o Rio de Janeiro, unidade da federação onde a cepa tem avançado consideravelmente.

O primeiro caso da variante Delta em MG, surgido em Juiz de Fora, foi oficializado em maio. Os infectados de BH foram confirmados pela prefeitura na semana passada, bem como o caso em Virginópolis. Mesmo sem novos registros, o governo estadual faz acompanhamento da situação.

"Estamos investigando os contatos (dos casos confirmados). Todo contato é investigado, acompanhado e testado", garantiu Baccheretti.

O secretário de Saúde lembrou que os imunizantes disponíveis à população são capazes de barrar a cepa Delta. Ele pediu respeito às normas sanitárias.

"A forma de evitar a transmissão e a doença, que é a vacina, não muda. É a mesma vacina. (Há) o uso de máscara, o distanciamento social e a higiene das mãos. São as mesmas formas de combater o vírus. O estudo genômico é importante, mas o mais importante é que todos os cuidados sejam mantidos".

Casos 'importados'


Os moradores de Belo Horizonte identificados com a variante Delta estiveram recentemente no Reino UnidoTratam-se de dois adolescentes, de 12 e 14 anos.

caso juiz-forano também é fruto de viagem ao exterior. A pessoa em questão esteve na Índia. Em Virginópolis, a secretaria de Saúde local optou por não identificar o destino da viagem do cidadão contaminado. Sabe-se, porém, que ele foi infectado quando esteve em outra cidade.

No fim de julho, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, divulgou documento alertando que a variante Delta pode ser um grande risco para pessoas não imunizadas, uma vez que é altamente contagiosa se comparada com outras cepas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade