Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Polícia Civil prende dupla por roubar notebooks no Bairro Buritis

Criminosos quebravam o vidro de carros estacionados em via pública para furtar notebooks e outros equipamentos


18/05/2021 18:01 - atualizado 18/05/2021 18:27

Foram recuperados 18 notebooks, e polícia tenta agora identificar os proprietários dos equipamentos (foto: Polícia Civil/ divulgação)
Foram recuperados 18 notebooks, e polícia tenta agora identificar os proprietários dos equipamentos (foto: Polícia Civil/ divulgação)
A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu, nessa segunda-feira (17/5), um homem, de 38 anos, e uma mulher, de 36, no Bairro Paraíso, Região Leste de Belo Horizonte. Eles são suspeitos de integrar uma organização criminosa que furtava aparelhos eletrônicos. Durante a ação policial, ainda foram recuperados 18 notebooks.

Levantamentos apontam que o suspeito, morador do Bairro Serra, na Região Centro-Sul da capital, seria o líder de um grupo criminoso envolvido no furto de notebooks. A mulher, empresária em Teófilo Otoni, Região do Jequitinhonha/Mucuri, por sua vez, seria uma das principais receptadoras.

Os suspeitos foram identificados durante investigações sobre arrombamentos e furtos em veículos nos bairros Buritis e Estoril, na Região Oeste de BH.

De acordo com as investigações, os criminosos agiam quebrando o vidro de carros estacionados em via pública para furtar notebooks e outros equipamentos que estivessem dentro dos veículos.

A prisão da dupla ocorreu após a identificação da empresária, dona de duas lojas especializadas em equipamentos de uma marca norte-americana.

Segundo a PCMG, a mulher foi flagrada na capital mineira, onde comprava os produtos furtados, no momento em que uma transação estava sendo efetivada.

Por meio de monitoramento dessa suspeita, os policiais civis interceptaram dois veículos, onde estavam diversos notebooks.

Criminosos identificados


O delegado regional Rômulo Dias ressalta que a organização criminosa, tanto liderança quanto a parte operacional, já foi identificada.

“Conseguimos apurar que houve a prática de, mais ou menos, 50 casos, de janeiro até este mês. Durante as investigações, conseguimos, inclusive, as imagens da atuação dos grupos”, conta.

A polícia já iniciou os levantamentos para identificação dos proprietários dos notebooks recuperados para a posterior restituição dos bens.

As investigações foram conduzidas pela 4ª Delegacia de Polícia Civil Barreiro.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade