Publicidade

Estado de Minas CORRIDA DAS VACINAS

'Terá DNA mineiro', diz presidente da ALMG sobre vacina da UFMG

A vacina mineira está sendo financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e é apoiada pelo ministro Marcos Pontes


26/04/2021 17:00 - atualizado 26/04/2021 17:34

Agostinho Patrus (PV), convocou uma live no Instagram junto com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (foto: Flávia Bernardo/Divulgação)
Agostinho Patrus (PV), convocou uma live no Instagram junto com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (foto: Flávia Bernardo/Divulgação)
O presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Agostinho Patrus (PV), convocou uma live no Instagram, nesta segunda-feira (25/4), junto com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para detalhar os preparativos do início do teste em primatas da vacina mineira contra a COVID-19, que está sendo desenvolvida pela universidade.

Leia: Vacina da UFMG contra a COVID-19 começa a ser testada em macacos

“A vacina terá DNA mineiro, levando vacinação para toda Minas Gerais”, afirmou o presidente sobre o imunizante que está sendo desenvolvido pelo CT-Vacinas, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

A vacina mineira está sendo financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e é apoiada pelo ministro Marcos Pontes. De acordo com os pesquisadores, o imunizante deve ficar pronto em 2022.

Nesta segunda-feira (26/4), a UFMG foi considerada pelo Inep, pela primeira vez na história, a universidade federal mais bem avaliada do Brasil. "É um orgulho para todos nós, mineiros”, pontuou Agostinho.

O imunizante produzido pela instituição foi batizado temporariamente de Spintec e usa uma tecnologia que consiste na combinação de duas proteínas, entre elas a proteína S, que é utilizada pela COVID-19 para invadir as células humanas. O composto formado pelas proteínas combinadas, também chamado de "quimera", é injetado no organismo e induz à resposta imune.

A fase de testagem com os macacos é pré-requisito exigido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que a vacina possa avançar para a fase de testes clínicos em humanos. Três grupos de primatas participarão dos testes. 

“A expectativa é muito boa. Vacina muito robusta. Tem segurança e conhecimento. O centro de vacina da UFMG é renomado e o resultado é promissor", pontuou a reitora da universidade Sandra Regina Goulart Almeida.


Veja o vídeo divulgado pela UFMG




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade