Publicidade

Estado de Minas LESTE DE MINAS

COVID-19: Valadares registra a segunda morte na fila de espera de UTI

Elza Dionísio Ribeiro, 67 anos, estava desde sábado (20/3) na fila de espera da UTI COVID-19 do Hospital Municipal. Ela morreu nesta quarta-feira (24/3)


24/03/2021 20:12 - atualizado 24/03/2021 22:06

Elza e a filha Juliana, em foto do álbum de família. Juliana não suportou a dor de ver sua mãe na fila de espera da UTI COVID-19, infartou e morreu, na terça-feira. Um dia depois, Elza morreu(foto: Álbum Família Ribeiro)
Elza e a filha Juliana, em foto do álbum de família. Juliana não suportou a dor de ver sua mãe na fila de espera da UTI COVID-19, infartou e morreu, na terça-feira. Um dia depois, Elza morreu (foto: Álbum Família Ribeiro)
Há exatamente 1 ano, no dia 24 de março de 2020, a Secretaria Municipal de Saúde de Governador Valadares divulgava a primeira morte por COVID-19. Nesta quarta-feira (24/3), a SMS divulgou mais 8 mortes causadas pela doença, que totalizam 670 mortes em 1 ano, números que denunciam o agravamento da pandemia do novo coronavírus em Governador Valadares e Leste de Minas.

Também nesta quarta-feira, a SMS registrou a segunda morte de paciente que estava na fila de espera por leito de UTI. Elza Dionísio Ribeiro, 67 anos, que estava desde sábado no Hospital Municipal à espera de uma vaga na UTI, morreu por complicações da COVID-19. 

O drama vivido por Elza e sua família, teve um capítulo trágico na segunda-feira (22/3). Enquanto ela estava no Hospital Municipal aguardando uma vaga na UTI COVID-19, sua filha, Juliana Ribeiro Faria, 38 anos de idade, angustiada com a situação desesperadora da mãe, sofreu um infarto e morreu.

“Ela nos disse que não suportaria a dor de ver sua mãe morrer na situação em que se encontrava. Acredito que a sua situação emocional teve peso nesse infarto”, disse Regina Miranda, prima de Juliana e sobrinha de Elza.

Juliana era professora e vice-diretora da Escola Municipal Valdete Nominato, em Governador Valadares. Sua morte causou forte comoção no meio educacional da cidade, por ela ser uma pessoa muito querida de todos e também pelas circunstâncias que envolviam a situação dramática de sua mãe, a espera de uma vaga na UTI do HM, junto com outras 24 pessoas na mesma situação.

Mortes no Vale do Aço

No Vale do Aço, as mortes causadas pela COVID-19 também apresentaram números expressivos. Em Ipatinga, foram registradas 5 mortes. Em Coronel Fabriciano, 3 mortes, e em Timóteo, 5 mortes. 

Entre as mortes ocorridas em Timóteo, uma chocou o meio cultural da cidade. A representante do movimento cultural de Timóteo, Medianeira Almeida, morreu no início da madrugada desta quarta-feira. Ela tinha 68 aos de idade e ficou internada por cerca de 15 dias no Hospital e Maternidade Vital Brazil.
 
Medianeira exercia a função de presidente do Grêmio Recreativo Escola de Samba Império da Sede e de vice-presidente da Guarda de Moçambique de Timóteo. Trabalhava na Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Timóteo e participava ativamente da vida social e política da cidade. Medianeira deixou quatro filhos. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade