Publicidade

Estado de Minas COVID 19

Saiba o que levou Minas a prorrogar a onda roxa até a Páscoa

Medidas restritivas foram postergadas até 4 de abril em todos os 853 municípios; houve aumento de exames de diagnóstico para o coronavírus no estado


24/03/2021 16:11 - atualizado 24/03/2021 17:09

Governo do estado prevê aumento no número de internações de pacientes com COVID-19 (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A press)
Governo do estado prevê aumento no número de internações de pacientes com COVID-19 (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A press)
O governo de Minas Gerais decidiu prorrogar até 4 de abril (domingo de Páscoa) a onda roxa, a mais restritiva do Plano Minas Consciente. O aumento diário de novos casos de infecção pelo coronavírus e a previsão de elevação das internações nos próximos dias estão entre as justificativas do Comitê Extraordinário Estadual COVID-19 para a prorrogação da onda roxa.

Estendidas em 17 de abril a  todos os 853 municípios mineiros, as medidas restritivas valeriam até o próximo dia 31 
 
Conforme antecipou o Estado de Minas, o Comitê Extraordinário deliberou por postergar a vigência das medidas restritivas contra o coronavírus em todo território mineiro em reunião realizada na manhã desta quarta-feira (24/03).

No início da tarde, a informação foi confirmada em entrevista coletiva pelo novo secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti.
 
O Comitê Extraodinário usou como motivo para a prorrogação da onda roxa a previsão de que, nas próximas semanas, o número de internações de pacientes com COVID-19 deverá aumentar, “consequência do aumento do número de casos”.
 
Outro argumento usado para justificar a prorrogação é que houve um aumento de exames de diagnóstico para o coronavírus no estado, e esperava-se que, com isso, as testagens positivas reduzissem. A expectativa, porém, não se confirmou. 
 
A informação levantada é que, hoje, a positividade dos testes para COVID-19 em Minas está na faixa de 45%, a maior taxa de incidência desde o início da pandemia.
 
O secretário Fábio Baccheretti salientou que o governo estadual estendeu a onda roxa aos 853 municípios mineiros porque todas as regiões do estado enfrentam o agravamento da COVID-19, com a máxima ocupação dos leitos hospitalares clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para os pacientes contagiados pela doença.
 
Segundo ele, desde o inicio da onda roxa, o isolamento social nas cidades aumentou. No entanto, mesmo com a ampliação de leitos, o problema da superlotação hospitalar persistiu. 
 
Por isso, foi necessário a prorrogação da validade das medidas restritivas. “Todas as regioes do estado estão sofrendo muito com a pandemia. Existe uma esperança que logo nas próximas semanas a ocupação caia, mas ainda é muito cedo para qualquer municipio fazer qualquer tipo de flexibilização”, declarou  Baccheretti.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade