Publicidade

Estado de Minas PROCURANDO OS CULPADOS

Segunda onda da COVID: 'Não somos vilões', dizem donos de bares de Uberaba

Secretaria de Defesa Social informou que vai intensificar ações contra as festas clandestinas; mortes e internações em Uberaba aumentaram cerca de 100%


14/01/2021 12:42 - atualizado 14/01/2021 14:37

Reunião do Comitê de Enfrentamento à COVID-19 de Uberaba com empresários e representantes do Sinhores(foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação)
Reunião do Comitê de Enfrentamento à COVID-19 de Uberaba com empresários e representantes do Sinhores (foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação)
Preocupados com medidas restritivas, representantes do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares (Sinhores) e empresários de Uberaba, no Triângulo Mineiro, afirmaram em reuniões desta semana do Comitê de Enfrentamento à COVID-19 que não são os ‘vilões’ do aumento do número de casos da doença na cidade.

A Secretaria Municipal de Defesa Social (SDS) informou que vai intensificar ações contra as festas clandestinas que constantemente são alvos de denúncias e abordagens da Guarda Municipal (GM) e Polícia Militar (PM).

A prefeita Elisa Araújo (Solidariedade), o Comitê de Enfrentamento à COVID-19, a equipe da SDS e representantes do Sinhores se reuniram nesta semana por duas vezes para dialogar sobre medidas que visam reduzir a aglomeração nos locais de lazer e em torno de um planejamento operacional para ações de conscientização e fiscalização das regras de vigilância.
 
Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Uberaba, os representantes do Sinhores destacaram a preocupação com um possível endurecimento das regras de funcionamento, caso os números de casos de COVID-19 continuem aumentando e reforçaram o apoio às ações para evitar que os estabelecimentos precisem fechar. 

De acordo com a SDS, no próximo fim de semana, o trabalho para coibir festas irregulares será intensificado pela Guarda Municipal, Departamento de Posturas e PM.
 
Os representantes do Sinhores e empresários de Uberaba reclamaram das festas irregulares que estão sendo realizadas na cidade e lamentaram o fato de que, em alguns momentos, os bares são vistos como ‘vilões’ na propagação das doenças. 
Disseram que estão cumprindo as regras de vigilância e se comprometeram em intensificar as medidas, colaborando também com a conscientização.
 
Os representantes se comprometeram a criar uma rede de informação para que possam trabalhar na conscientização e monitoramento dos bares, evitando os excessos. 
 
"Eles solicitaram à prefeita a liberação das calçadas para deixar as mesas mais espalhadas e a suspensão do feriado de carnaval", diz nota da assessoria de imprensa da PMU.
 
A reportagem questionou a Prefeitura de Uberaba sobre quantas festas clandestinas foram encerradas pela Guarda Municipal este ano, quantas foram encerradas no mês de dezembro do ano passado e qual foi o número total de festas clandestinas descobertas pelos órgãos de segurança durante todos os meses da pandemia. Até o fechamento desta matéria, não obteve as respostas.
 

Números da COVID-19

 
Nos primeiros 13 dias de janeiro, Uberaba registrou aumento de mais de 100% nas internações relacionadas à COVID-19. Já os casos positivos da doença em janeiro já estão equiparados aos registrados na cidade em todo o mês de dezembro do ano passado –ou seja, aproximadamente 800. Com relação às mortes em janeiro, até essa quarta-feira (13/01), foram registrados 15 óbitos, sendo que em todo o mês de dezembro foram 8 mortes. 
 
Segundo o último boletim epidemiológico da COVID-19 em Uberaba, divulgado na noite desta quarta-feira (13/01), desde o início da pandemia, a cidade já registrou 10.964 casos positivos e 10.321 casos recuperados da doença.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade