Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Após queda nos casos de COVID-19, Passos libera festas e shows

Eventos terão de obedecer ao limite de 100 pessoas e lotação máxima de 30% da capacidade do local; atividades recreativas infantis também estão permitidas


04/11/2020 17:23 - atualizado 04/11/2020 17:59

Passos flexibiliza mais atividades, diante da redução no número de internações (foto: Guia do Turismo/Divulgação)
Passos flexibiliza mais atividades, diante da redução no número de internações (foto: Guia do Turismo/Divulgação)
Após queda nos casos de COVID-19, a Prefeitura de Passos, no Sudoeste de Minas Gerais, flexibilizou eventos em salões de festas e atividades recreativas no ensino infantil nas redes particular e privada da cidade, apesar de as aulas continuarem suspensas.  

 

De acordo com a prefeitura, o novo decreto foi elaborado após redução de casos do novo coronavírus e de internações nas últimas semanas. “A flexibilização, primeiramente, vem sendo permitida pelo Estado através do Programa Minas Consciente. Estamos na onda verde. A flexibilização é contextual”, explica secretário de Saúde, Evandro Bogo.

Nesse cenário, foram liberadas festas, confraternizações, shows, baladas e eventos em buffet. “Com limite de 100 pessoas, observando-se ainda o limite da lotação máxima de 30% da capacidade. Será permitida a ocupação de até seis pessoas por mesa”, diz o documento.

 

O último boletim divulgado pela prefeitura mostra que a cidade soma 1.340 registros do novo coronavírus e 28 mortes em decorrência da doença.

 “Os nossos números hoje são baixos, estamos com apenas dois munícipes internados. E os registros estão caindo a cada semana. Mas continuamos pedindo a colaboração da população para que continue obedecendo os protocolos, porque se estamos nesta situação confortável é porque de uma forma ou de outra temos tido essa obediência”, ressalta o secretário.


Interações lúdicas 

 

As aulas presenciais no município continuam suspensas, mas o novo decreto permite atividades recreativas no ensino infantil nas redes pública e privada.

“Não é retorno às aulas. Contempla uma questão de saúde pública relacionada ao emocional e psicológico das crianças, que precisam de interações lúdicas e orientadas por profissionais da área. É fora do ambiente escolar em áreas externas, amplas mediante apresentação de planos de contingência e protocolos rígidos de segurança”, afirma o secretário.

 

Para que isso ocorra, as escolas vão precisar de adaptação. “Limitados a grupo de até 20 crianças. Para isso, as escolas vão ter que apresentar um plano de segurança e prevenção à Secretaria Municipal de Saúde”, disse.

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade