Publicidade

Estado de Minas

Artistas trocam obras por cestas básicas para doação na Grande BH

Projeto de grafiteiros disponibiliza diversas obras nas redes sociais em troca de alimentos para comunidades carentes


postado em 12/07/2020 06:00 / atualizado em 12/07/2020 08:04

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


O grafite transforma muros de concreto em verdadeiras galerias de arte. Em tempo de pandemia, entretanto, os artistas da rua se viram obrigados a abandonar os espaços urbanos para, de dentro de casa, ser solidários com a população mais carente. Dois grafiteiros de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, tiveram a ideia de reunir amigos do ramo para “leiloar” obras de arte em troca de cestas básicas para comunidades em vulnerabilidade social: o projeto Arte pela Cesta.

Os idealizadores são Giuliano de Almeida, de 35 anos, conhecido na cena do grafite como Giuliano Sete, e Luís World. “É a primeira vez que a gente está fazendo. Surgiu de uma iniciativa independente, durante uma reunião de artistas. Essa situação da pandemia impactou muito a desigualdade social. Do nada, surgiu a ideia com Luís World, que abraçou a ideia”, conta Sete.

Na prática, o projeto “vende” as obras de arte por um valor simbólico de cestas básicas por meio do Instagram (@artepelacesta). Até 5 de julho, o público poderá acompanhar a exposição virtualmente, a partir do feed da rede social. No dia seguinte, começa a troca dos quadros pelas doações.

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Cada postagem no Instagram acompanha detalhes técnicos sobre a obra em questão, como o autor, o nome do quadro, o tamanho e a técnica usada para a execução do trabalho. Além, claro, do "valor" do material na "moeda" cesta básica. Os alimentos arrecadados seguem para outro projeto, denominado Amigos Solidários.

A conexão entre uma iniciativa e outra facilita a logística. “Eles já faziam esse trabalho mesmo antes da pandemia. Trabalham com vilas e favelas da Grande BH e têm um cadastro de diferentes comunidades. É um projeto que vive de doações. Eu já os conhecia, então fizemos essa ponte, porque eles já têm os contatos”, explica Giuliano Sete.

Até o próximo dia 5, os interessados poderão acompanhar a exposição virtualmente pelo Instagram (@artepelacesta).No dia seguinte, começará a troca dos quadros pelas cestas(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Até o próximo dia 5, os interessados poderão acompanhar a exposição virtualmente pelo Instagram (@artepelacesta).No dia seguinte, começará a troca dos quadros pelas cestas (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
De acordo com ele, a ideia que surgiu de maneira utópica se tornou realidade a partir da união entre os artistas do grafite. “Como a gente é do grafite, temos contato com um grupo muito grande de artistas. Começamos com 12 e quando assustamos éramos 40 pessoas. Alguns produziram trabalhos exclusivos para o projeto, enquanto outros vão usar o acervo que já têm em casa”, afirma o homem.

O objetivo do projeto neste primeiro momento é arrecadar cerca de 100 cestas básicas. Mas, a depender da logística e da divulgação, o volume de doações pode aumentar. “Informar as pessoas sobre a iniciativa é o principal desafio no momento. Mas, quanto mais contribuição, melhor. Não aceitamos valor monetário por enquanto, mas quem quiser pode doar mais cestas que um determinado quadro vale”, diz Giuliano, que lembra também que o Arte pela Cesta está à disposição para receber produtos de limpeza e álcool em gel, importantes durante a pandemia do novo coronavírus.
 

Democratização


(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Em Belo Horizonte, o projeto Gentileza, da Prefeitura de Belo Horizonte, contribuiu para espalhar o grafite por vários pontos da cidade. Quem trabalha no ramo é firme ao dizer que as oportunidades melhoraram, mas grande parte da população ainda tem dificuldades, sobretudo financeiras, para consumir esse tipo de arte.

“Temos duas missões: a causa solidária durante a pandemia e a democratização da arte, que é oferecer os trabalhos a um preço simbólico. Hoje, temos desde artistas emergentes até pessoas já consolidadas internacionalmente no projeto. Queremos que as pessoas conheçam a cena do grafite que cerca a Grande BH”, afirma Giuliano Sete. Apesar de a maioria do elenco artístico ser formada por grafiteiros, o Arte pela Cesta conta com contribuições de ilustradores e até de uma fotógrafa.

O que é o coronavírus


Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.
Vídeo: Por que você não deve espalhar tudo que recebe no Whatsapp

Como a COVID-19 é transmitida? 

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Vídeo: Pessoas sem sintomas transmitem o coronavírus?


Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.
Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus. 

Vídeo explica por que você deve 'aprender a tossir'


Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Coronavírus e atividades ao ar livre: vídeo mostra o que diz a ciência

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade