Publicidade

Estado de Minas

Coronavírus: veja o que pode e o que não pode funcionar em BH a partir desta quinta

Decreto limita comércio de BH a hipermercados, açougues, mercearias, sacolões, farmácias e lojas de material de construção a partir de hoje


postado em 09/04/2020 06:00 / atualizado em 09/04/2020 10:12

Orla da Lagoa da Pampulha começou a ser cercada ontem, em mais uma medida para evitar aglomerações(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Orla da Lagoa da Pampulha começou a ser cercada ontem, em mais uma medida para evitar aglomerações (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Belo Horizonte endurece as restrições à circulação de pessoas já a partir de hoje. Todos os serviços não essenciais da capital estão proibidos de funcionar. A medida foi anunciada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) pelo Twitter e está contida em decreto assinado por ele na tarde de ontem.  “É muito sério. Todos os estabelecimentos não essenciais estarão fechados por decreto amanhã (hoje). Quem não está entre os serviços essenciais não deve ir trabalhar”, postou.

O decreto 17.328/2020 permite a continuidade do funcionamento de uma série de estabelecimentos. O documento prevê sanções penais, administrativas e civis aos que descumprirem as regras.

Na segunda-feira, Kalil assinou um decreto que proibia a entrada de consumidores nas lojas de rua de Belo Horizonte. A assinatura do documento editado ontem, entretanto, revoga a determinação anterior automaticamente. Veja como ficou a situação dos estabelecimentos na capital.

Podem funcionar em BH

  • Supermercados
  • Hipermercados
  • Padarias
  • Farmácias
  • Sacolões
  • Mercearias
  • Hortifrutis
  • Armazéns
  • Açougues
  • Postos de combustível
  • Laboratórios
  • Clínicas
  • Hospitais
  • Óticas
  • Lojas de material de construção civil
  • Agências bancárias
  • Correios e lotéricas – incluindo as unidades que funcionem no interior de shoppings centers, centros de comércio e galerias, mas desde que adotadas as medidas de segurança estabelecidas pelas autoridades de saúde

Não podem funcionar em BH (alvarás suspensos por tempo indeterminado)

  • Casas de shows e espetáculos de qualquer natureza
  • Boates, danceterias, salões de dança
  • Casas de festas e eventos
  • Feiras, exposições, congressos e seminários
  • Shoppings centers, centros de comércio e galerias de lojas
  • Cinemas e teatros
  • Clubes de serviço e de lazer
  • Academia, centro de ginástica e estabelecimentos de condicionamento físico
  • Clínicas de estética e salões de beleza
  • Parques de diversão e parques temáticos
  • Bares, restaurantes e lanchonetes
Atenção: serviços de delivery ou retirada no local de alimentos prontos para consumo fora dos estabelecimentos, considerando as medidas para evitar a contaminação pelo coronavírus, são permitidos.

Também suspensas

  • Autorizações para eventos em propriedades e logradouros públicos
  • Autorizações de feiras em propriedade
  • Autorizações para atividades de circos e parques de diversões

Ainda sob vigência da norma revogada pelo novo decreto, lojas de chocolate funcionaram com guardas municipais na porta para evitar a aglomeração de clientes nos estabelecimentos às vésperas da Páscoa. Os agentes orientavam os gerentes ou responsáveis a organizar filas externas às lojas, com distanciamento adequado entre os clientes. "O atendimento pode ser feito apenas na parte externa do estabelecimento. Esse trabalho da Guarda Municipal vai permanecer enquanto durar a procura aquecida por chocolates e ovos de Páscoa", disse o comandante da Guarda Civil Municipal, Rodrigo Prates.

Com a chegada da Páscoa em período de pandemia do novo coronavírus, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) já havia anunciado que as lojas de chocolates só poderiam atender da porta para fora. “ Não é hora de comer chocolate, não. É hora de tentar comer arroz e feijão. Com todo o respeito, falar em chocolate agora é agredir a inteligência, agredir o coração da pobreza, da miséria, do aglomerado e da vila, principalmente do internado, do doente”, afirmou Kalil em entrevista coletiva na segunda.

Orla da Pampulha


No mesmo dia, Kalil havia divulgado outras ações, como o fechamento, aos pedestres, da orla da Lagoa da Pampulha. Apenas carros vão poder passar pela área. O prefeito anunciou, também, o fechamento da Praça da Assembleia, expediente adotado em outros equipamentos públicos da cidade, como as praças da Liberdade e JK.Segundo a Guarda Municipal, as restrições na Pampulha também começam a valer a partir de hoje.

Ontem, grades e cones começaram a ser instalados na orla da Lagoa da Pampulha ontem. A atitude foi tomada para impedir o acesso da população, que continuava se aglomerando no local mesmo com recomendações das autoridades sobre o isolamento social como forma de conter o avanço do novo coronavírus. De acordo com a Guarda Civil de Belo Horizonte, a restrição de acesso ao local começa a vigorar hoje. “Os agentes permanecerão de forma fixa no local ou por meio de rondas em viaturas”, informou o comandante Rodrigo Prates.

No último domingo, a orla da Lagoa da Pampulha, ponto turístico da capital mineira, teve intensa movimentação de pessoas. No dia seguinte, Kalil reagiu, decidindo que haveria restrição ao acesso nos 18 quilômetros da orla, com o auxílio da BHTrans. Apenas carros poderão circular na região. “O pessoal não entendeu que não estamos de férias e que é um ótimo dia para ficar em casa (…) Onde houver aglomerações, vamos tentar evitar (a circulação de pessoas)”, disse Kalil.

O prefeito afirmou ainda que as restrições vão durar "o tempo necessário" e apenas os técnicos da Secretaria Municipal de Saúde podem determinar o fim da quarentena. "Colocamos o plano em prazo indeterminado, para não ficar nessa bobagem de: 'decreta para lá, decreta para cá'. Eles (especialistas) é que estão no comando, eles é que decretarão o fim da pandemia". (Colaborou Cristiane Silva)

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Especial: Tudo sobre o coronavírus 

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

Coronavírus é pandemia. Entenda a origem desta palavra

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade