Publicidade

Estado de Minas

Mais de 80 leitos serão abertos na Região Centro-Oeste para enfrentamento da COVID-19

Comitê mapeou 18 unidades hospitalares que serão referência para 54 municípios; 14 vão receber aporte financeiro


postado em 31/03/2020 06:00 / atualizado em 31/03/2020 07:54

Hospital de Divinópolis, que atendeu aos primeiros casos suspeitos da doença na cidade-polo, onde nove infecções pelo coronavírus já foram confirmadas(foto: Amanda Quintiliano/Divulgação)
Hospital de Divinópolis, que atendeu aos primeiros casos suspeitos da doença na cidade-polo, onde nove infecções pelo coronavírus já foram confirmadas (foto: Amanda Quintiliano/Divulgação)


Com 14 casos de COVID-19 confirmados em cinco municípios da macrorregião Oeste, a Superintendência Regional de Saúde (SRS) vai liberar R$ 2,5 milhões para abertura de 89 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) em hospitais públicos e particulares, todos dentro da região. Divinópolis, cidade-polo, concentra o maior número de casos nessa região, nove, segundo o boletim divulgado ontem pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Em seguida, aparecem Lagoa da Prata, com dois; Campo Belo, Carmo do Cajuru e Bom Despacho, com um cada.
 
A superintendência segue o plano operativo da SES desde o dia 24. Ele contempla ações para os eixos de vigilância epidemiológica e assistencial. A estratégia conta com plano de ação conforme situação e nível de impactos do vírus na região, que congrega 54 municípios. O comitê mapeou os hospitais que serão referência de atendimento da síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Ao todo, são 18 instituições públicas e privadas, que vão receber parte dos R$ 42 milhões de recursos federais que serão distribuídos entre 221 unidades de média e alta complexidades no estado.
 
Treze municípios da região e 14 hospitais receberão parte da verba para o enfrentamento à COVID-19. A deliberação permitirá abrir mais 89 leitos de UTI em Bom Despacho (20), Campo Belo (11), Cláudio (2), Divinópolis (27), Formiga (15), Itaúna (2), Lagoa da Prata (05), Luz (2), Nova Serrana (6), Oliveira (4), Pará de Minas (6), Santo Antônio do Amparo (1) e Santo Antônio do Monte (8).
 
Dos 165 leitos já existentes, 109 receberão um aporte financeiro para custeio. Eles estão instalados nas cidades mencionadas acima, com exceção de Bom Despacho, Cláudio, Luz e Nova Serrana. A distribuição do recurso financeiro observou três critérios.
O primeiro selecionou os hospitais com leitos de UTI para adulto já operantes e registrados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O segundo critério observado foi atender às instituições com leitos de UTI adulto cadastradas no CNES, com possibilidade de expansão imediata. E, por último, verificou os hospitais cadastrados no CNES com possibilidade de abertura de leitos após aquisição de equipamentos para montagem de UTI. O plano prevê que os casos que necessitem de internação permaneçam na própria região, sendo regulados pela Central de Regulação de Leitos do Estado, o SUS-Fácil.

Recursos


As administrações municipais também têm adotado medidas individualizadas para o enfrentamento da pandemia. Divinópolis vai abrir 40 leitos no estacionamento da Unidade de Pronto-atendimento (UPA). Eles vão atender também Carmo do Cajuru, São Sebastião do Oeste e São Gonçalo do Pará.
 
Cidades menores, segundo o presidente da Associação dos Municípios do Vale do Itapecerica (Amvi), o prefeito de Cláudio, José Rodrigues, têm buscado alternativas, como negociar leitos nas unidades hospitalares locais. “O tempo é curto. Os municípios têm tomado as providências deles”, explica.
 
Apesar das ações apresentadas pelo governo do estado, as prefeituras ainda não viram ajuda financeira prática. “Não tenho conhecimento de nenhum prefeito que tenha recebido recurso. Estamos só ouvindo que vai chegar, só intenção”, afirmou. Zezinho reconhece a burocracia dos tramites para a liberação. Mas cobra do estado e da União o comprometimento de que os gastos do município sejam repostos. “Precisamos ter certeza de que o que vamos investir seja liberado para o município, posteriormente, porque senão a gente vai deixar de pagar salários, de cumprir as obrigações que são de cada município”, afirmou.
 
Na semana passada, Zezinho e outros prefeitos da região encaminharam documento ao governo do estado pedindo que a estrutura do hospital regional em Divinópolis seja utilizada para abrir entre 50 e 100 leitos. A obra do prédio está parada desde 2016. *Amanda Quintiliano, especial para o EM

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Especial: Tudo sobre o coronavírus 

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

Coronavírus é pandemia. Entenda a origem desta palavra

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade