Publicidade

Estado de Minas

Após temporal, BH amanhece com ruas interditadas e imóveis sem luz

Cemig tenta restabelecer energia em diversos bairros da cidade. No Jaragua, eucalipto atingiu carro e uma loja. Há possibilidade de mais chuva hoje


postado em 15/01/2020 10:24 / atualizado em 15/01/2020 10:43

No Jaraguá, eucalipto quase dividiu um carro ao meio na rua. Veículo estava vazio(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
No Jaraguá, eucalipto quase dividiu um carro ao meio na rua. Veículo estava vazio (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Mais uma vez, moradores de diferentes regiões de Belo Horizonte começam o dia contabilizando prejuízos depois de outro temporal atingir a cidade. Mais de 12 horas após a forte chuva, ainda havia ruas interditadas. Equipes trabalhavam para cortar árvores que destruíram carros ou fecharam vias. Além disso, há consumidores sem energia elétrica nesta quinta-feira. 

De acordo com a Cemig, os bairros mais impactados pelo problema são o Primeiro de Maio, São Gabriel, Dona Clara, Jaraguá e Santa Rosa. “Nas outras localidades há também registros, mas não há grandes blocos de clientes impactados nessas regiões”, explicou a empresa. A Cemig diz que reforçou o número de equipes nas ruas desde a tarde passada e a previsão é de que os serviços sejam normalizados ao longo do dia. Entre os trabalhos executados estão a recomposição de fiação partida e podas de árvores que caíram sobre a rede elétrica. 

Ver galeria . 19 Fotos Árvores caíram nos bairros Dona Clara e Jaraguá, que estão na lista dos mais atingidos pelo temporal de terça-feiraJair Amaral/;EM/DA Press
Árvores caíram nos bairros Dona Clara e Jaraguá, que estão na lista dos mais atingidos pelo temporal de terça-feira (foto: Jair Amaral/;EM/DA Press )


Sobre esta última questão, uma das situações mais graves ocorreu na Praça Manoel dos Reis Filho, no Bairro Jaraguá, em frente ao clube de mesmo nome. Um eucalipto de grande porte caiu durante o temporal, atravessando a via. O tronco atingiu um carro, que quase foi partido ao meio. O veículo estava vazio. Já a copa foi parar na laje de uma papelaria onde trabalhavam três pessoas. 

O proprietário da loja, Robinson Leite Medeiros, de 52 anos, mora no Bairro Caiçara, Região Noroeste de Belo Horizonte, e trabalha no Jaraguá há seis. Ele estava no local acompanhado da esposa e uma funcionária. “Estávamos separando listas, etiquetando. Tenho 50 listas para ser entregues. Começou a chuva, o pessoal entrando e saindo da loja, ventava muito”, contou. 

Pouco tempo depois, a árvore caiu sobre o estabelecimento, abrindo buracos no teto. Segundo ele, a cobertura era de telhas e alvenaria. A água da chuva começou a cair dentro da loja. “Na hora nós ficamos presos lá. Depois a chuva passou e o pessoal (de fora) ficou gritando para não sairmos porque a fiação toda estava arrebentada”, contou. Por sorte, ninguém ficou ferido. 

Copa da árvore atingiu papelaria, danificando o teto e estragando produtos(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Copa da árvore atingiu papelaria, danificando o teto e estragando produtos (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Um funcionário de Robinson comprou lonas para forrar os produtos que ainda não haviam sido danificados. Hoje ele ainda avaliava a situação da loja. A Defesa Civil ainda não havia passado pelo imóvel. 

Para Robinson, a situação no entorno da praça é preocupante, já que há outras árvores de grande porte no local. Além disso, ele afirma que a árvore que caiu era alvo de reclamação dos vizinhos. A Rua Luiz Chagas Carvalho, no Bairro Dona Clara, também estava fechada por árvores caídas. 

Mais cedo, a BHTrans também informou que a Rua Carloto Távora, no Bairro Padre Júlio Maria, Região Norte da cidade, estava fechada entre os números 111 e 365 por conta de uma árvore que atingiu um poste. “A linha 717 (Estação Pampulha/Campo Alegre) está sendo desviada pela rua Irmã Celeste e rua das Clarissas retornando ao itinerário normal pela rua dos Sacramentos”, informou a empresa de trânsito. 

O Corpo de Bombeiros também registrou três chamadas por risco de eletrocussão por causa das chuvas de ontem. No Bairro Primeiro de Maio, cabos partidos caíram sobre a laje de uma casa na Rua Ladainha e estavam soltando faíscas. No Bairro Santa Cruz, um fio de alta tensão caiu perto de casas na Rua Gentil Teodoro, perto da Avenida Bernardo Vasconcelos. A terceira ocorrência foi na Rua Ramalho Ortigão, no Bairro Santa Branca. A árvore caiu sobre um padrão de energia e arrebentou a fiação, que também soltava faíscas. 



Previsão do tempo


Segundo a Defesa Civil de Belo Horizonte, a previsão do tempo para esta quarta-feira é de céu parcialmente nublado a nublado com possibilidade de pancadas de chuva e trovoadas isoladas à tarde. A temperatura mínima é de 18°C e a máxima deve chegar aos 31°C.  Ainda ontem, o órgão divulgou um alerta de risco de deslizamentos de terra e quedas de muro válido para hoje. 

Deslizamentos e ruas alagadas

Ver galeria . 12 Fotos Região recebeu 41,4 milímetros de precipitação na tarde desta terça-feira (14), segundo Defesa Civil de BHMarcos Vieira/EM/D.A Press
Região recebeu 41,4 milímetros de precipitação na tarde desta terça-feira (14), segundo Defesa Civil de BH (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press )

Segundo a Defesa Civil Municipal, ontem foi registrada ocorrência de granizo no Bairro Paraíso, Região Leste, e na Pampulha. Moradores do Bairro Sagrada Família também relataram o fenômeno por cerca de pelo menos cinco minutos. Áreas do Aeroporto da Pampulha ficaram debaixo d’água, e ruas foram alagadas. No Bairro Jardim Alvorada, na mesma região, houve deslizamento, com o desabamento de uma casa. Não houve feridos. Em apenas 14 dias, as regionais Centro–Sul e Oeste já alcançaram a média pluviométrica do mês.

A balconista Beatriz Cecília Miranda dos Reis, de 42 anos, assistia a um filme com quatro crianças, quando o imóvel desabou. Segundo ela, nove pessoas que moram no local estavam ausentes no momento do acidente. As crianças, duas de 4 anos, uma de 6 e outra de 12, ficaram abrigadas debaixo de uma árvore até o resgate. Ainda segundo a mulher, a família tinha nove cachorros, e quatro deles morreram soterrados.

Durante a chuva, o Corpo de Bombeiros foi acionado também para ocorrências de inundação e pessoas ilhadas na Avenida Antônio Carlos, Avenida Sebastião de Brito e Rua Argemiro Rodrigues Campos. Atendimentos relacionados à queda de árvores e galhos foram acima de 40. No Bairro Jaraguá, Região da Pampulha, uma árvore caiu sobre um portão e dois carros na Rua Erasmo Figueiredo Silva. Já na Avenida Izabel Bueno, uma loja foi atingida, impedindo a saída de funcionários. Ninguém ficou ferido.

Por volta das 16h, o protocolo de bloqueio das avenidas Bernardo Vasconcelos, Vilarinho e Francisco Sá – tradicionalmente alagadas em temporais – foi acionado por causa desse risco. O Córrego Cachoeirinha transbordou por volta das 16h30 e causou transtornos ao longo da Avenida Bernardo Vasconcelos, entre as avenidas Antônio Carlos e Cristiano Machado. De acordo com a Defesa Civil, houve transbordamento ainda do Córrego Onça, que passa pelas regionais Norte e Nordeste.


Publicidade