Publicidade

Estado de Minas

Belo Horizonte tem o agosto mais chuvoso dos últimos 10 anos

Primeira chuva de gelo num mês de agosto deixou prejuízos no comércio, casas, carros e ruas de BH. A Defesa Civil registrou 27 chamadas. Hospital teve que suspender cirurgias


postado em 08/08/2018 06:00 / atualizado em 08/08/2018 10:34

Ver galeria . 27 Fotos Temporal com granizo danificou casas, carros e derrubou árvores em BH e região metropolitana. No Bairro Novo Glória, telhado de metal foi arrancado e atingiu carro na Rua Délio Salomão VieiraPaulo Filgueiras/EM/DA Press
Temporal com granizo danificou casas, carros e derrubou árvores em BH e região metropolitana. No Bairro Novo Glória, telhado de metal foi arrancado e atingiu carro na Rua Délio Salomão Vieira (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press )

 

Agosto mal começou e Belo Horizonte já bateu recorde de chuvas. E a queda de granizo que causou estragos na capital mineira na noite de segunda-feira, a primeira registrada em um oitavo mês do ano desde 1961, quando começaram as mediações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), deixou suas marcas. O dia começou ontem com ruas interditadas, telhados arrancados e diversos carros danificados pela queda de granizo. Trinta cirurgias que seriam realizadas no Hospital São Francisco, na Região Nordeste de BH, tiveram que ser canceladas porque o bloco cirúrgico foi inundado. A Defesa Civil da capital explicou que não emitiu um alerta para avisar a população sobre a ocorrência de granizo por estar sem acesso às imagens do radar meteorológico, reestabelecido ontem. Em sete dias, o acumulado de chuvas na capital já superou a média esperada para o mês e, segundo o Inmet, este é o agosto mais chuvoso dos últimos 10 anos.

Conforme o meteorologista Cléber Souza, do Inmet, a chuva de granizo foi um fenômeno atípico. Ele explicou que, ao encontrar com a massa quente, a frente fria que chegou ao estado resultou em chuva de granizo de grande volume. “O choque entre uma massa de ar frio muito intensa e uma massa de ar quente é o que gera a chuva de granizo. Porém, essas massas não costumam ser fortes em agosto. Até ontem (segunda-feira) não havia sido registrada nenhuma ocorrência de granizo em um mês de agosto, desde que o instituto entrou em atividade há 57 anos”, comentou. Segundo ele, as precipitações com pedras de gelo como as que foram vistas em BH, Contagem, Betim, Nova Lima, entre outros municípios, costumam ocorrer em outubro e, normalmente, no período da tarde. “Foi algo bem raro, que aponta para as mudanças climáticas”, destacou.

Segundo levantamento da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) de Belo Horizonte, foram registradas 27 ocorrências relacionadas com o temporal, sendo seis casos de riscos de deslizamento ou danos em habitações. Pela manhã, o cenário era de destruição em alguns pontos de Belo Horizonte, principalmente na região da Pampulha, uma das mais atingidas pelo temporal. Imóveis e carros foram danificados, árvores e postes caíram. Segundo a Defesa Civil, somente na Pampulha foram atendidas 14 ocorrências na noite de segunda-feira e ontem.

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)


O volume médio de chuva de agosto é um dos menores do ano em praticamente todo o país. Dias secos e ensolarados, com umidade do ar baixa abaixo de 30%, são comuns nessa época do ano. Porém, a chuva acumulada sobre Belo Horizonte nos sete primeiros dias do mês superou a média 15 milímetros esperada para o mês. Até ontem, o Inmet já havia registrado 35,5mm de chuvas, e o instituto já considera este o agosto mais chuvoso dos últimos 10 anos. Em 2008, o mesmo período registrou 47mm de chuvas ao longo do mês, e com a previsão de chuvas até amanhã, a expectativa é que 2018 supere a marca de 2008.

Na capital, as regiões mais atingidas pela queda de granizo foram o Barreiro, Leste, Pampulha, Nordeste e Noroeste. No Bairro Sagrada Família, Leste de BH, a enxurrada nas descidas fortes pareciam rios de gelos. A orla da Lagoa da Pampulha também amanheceu muito suja e com comerciantes contando os prejuízos. Em uma lanchonete do Bairro Bandeirantes, 10 toldos de mesa foram destruídos e precisaram ser retirados.

Na Rua São Lázaro, no Sagrada Família, parte do gelo ainda não havia derretido na manhã de ontem (foto: Alexandre Perez/EM/DA Press)
Na Rua São Lázaro, no Sagrada Família, parte do gelo ainda não havia derretido na manhã de ontem (foto: Alexandre Perez/EM/DA Press)


HOSPITAL INUNDADO A água invadiu a unidade do Hospital São Francisco de Assis no Bairro Concórdia, Região Nordeste de Belo Horizonte, durante o temporal. Segundo a assessoria de imprensa da Fundação Hospitalar São Francisco de Assis, a água atingiu áreas externas, portarias e também entrou no setor de hemodiálise pelo fosso de um elevador. As calhas teriam ficado entupidas durante a chuva. Funcionários secaram a água nos espaços. Por questão de segurança, os procedimentos cirúrgicos foram suspensos e até o início da noite de ontem ainda não haviam sido remarcadas.

A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) de Belo Horizonte divulgou ontem uma nota, explicando o motivo de não ter emitido um alerta sobre o temporal com granizo que atingiu a capital. Segundo o órgão, a equipe estava sem acesso às imagens do Radar Meteorológico devido a ajustes em andamento no site do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam). “Considerando que estamos fora do período chuvoso e que o episódio de ontem foi apontado como raro, de rápida formação e curta duração, não foi possível emitir um alerta específico para ocorrência de granizo em Belo Horizonte”, explicou a Defesa Civil da capital. O Igam informou, por meio de nota, que estava em processo de adequação dos serviços de previsão meteorológica para adaptação às vedações eleitorais. Na noite de ontem o serviço foi normalizado.

O Instituto Nacional de Meteorologia alerta que mais pancadas de chuva com rajadas de vento podem ocorrer até amanhã. No entanto, a tendência é de redução do volume de precipitações nos próximos dias. Hoje, a previsão é de céu parcialmente nublado a nublado com pancadas de chuva e trovoadas. Os termômetros não devem ultrapassar os 25°C. No estado, tempo nublado com precipitações e trovoadas no Sul/Sudoeste, Campo das Vertentes e Zona da Mata. Céu parcialmente encoberto com pancadas de chuva isolada no Oeste, Rio Doce e Região Metropolitana. Demais regiões, parcialmente nublado. Névoa seca no Noroeste e Norte. Máxima em Minas de 37°C, Norte/Noroeste, e 9°C no Sul. *Estagiária sob supervisão da  subeditora Rachel Botelho

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade