UAI
Publicidade

Estado de Minas SEM COMEMORAÇÃO

Recursos para obra do metrô em BH precisam passar pelo Orçamento, diz Economia

Manobra foi anunciada pelo ministro da pasta, Tarcísio de Freitas, chamou a atenção de técnicos da área econômica e levantou a suspeita de drible às regras fiscais


03/09/2020 20:24 - atualizado 03/09/2020 21:10

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )

 
O Ministério da Infraestrutura precisou desistir de repassar R$ 1,2 bilhão em recursos de um acordo judicial para bancar obras da linha 2 do metrô de Belo Horizonte sem passar pelo Orçamento ou pelo caixa do Tesouro Nacional, segundo apurou o Estadão/Broadcast. A manobra foi anunciada pelo ministro da pasta, Tarcísio de Freitas, chamou a atenção de técnicos da área econômica e levantou a suspeita de drible às regras fiscais.

O Ministério da Economia confirmou ao Estadão/Broadcast que os recursos precisarão passar pelo Orçamento. Ou seja, estarão sujeitos às regras fiscais, inclusive ao teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação.
 
O recuo veio após técnicos da Economia alertarem para a necessidade de incluir tanto a receita com o acordo quanto a despesa com as obras na proposta orçamentária de 2021, sob o risco de violar leis caso a despesa fosse executada à margem do Orçamento. O tema foi discutido em uma reunião hoje entre Casa Civil, Infraestrutura e Economia.

No centro do impasse está uma indenização devida à União por trechos antieconômicos da Ferrovia Centro Atlântica (FCA), que inicialmente seria empregada em obras ferroviárias e agora será redirecionada ao metrô. Como mostrou a reportagem, o “procedimento” defendido pela Infraestrutura, segundo Tarcísio, envolveria uma conta no BNDES que receberia os recursos em vez da conta única do Tesouro.

“Qual o procedimento que estamos trabalhando nesse momento: a criação de uma conta, vinculada a esse projeto no BNDES, e o fluxo do dinheiro ao invés de cair na conta do Tesouro cairia direto nessa conta, que vai ser utilizada especificamente para compor a contrapartida do Estado na parceria público-privada do metrô. Isso dá garantia efetiva de que recurso vai ser usado no metrô de BH”, explicou Tarcísio ao anunciar a proposta.

O anúncio do acordo chegou a ser comemorado pelo presidente Jair Bolsonaro no Twitter. “A criatividade e a determinação do Ministério da Infraestrutura viabilizará a linha 2 do metrô de BH”, escreveu o presidente. “É criatividade para prover infraestrutura”, comentou Tarcísio na mesma rede social.

Inicialmente, a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou questionamento à Economia sobre o tema, mas a resposta foi genérica de que não caberia à pasta se pronunciar sobre o acordo. Segundo apurou a reportagem, as áreas orçamentárias não foram ouvidas. Agora, depois da polêmica, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) solicitou formalmente um posicionamento da Secretaria de Orçamento Federal (SOF).

O gasto para o metrô ainda pode ser incluído no Orçamento de 2021, em tramitação no Congresso, mediante corte de outra despesa. O procedimento já foi adotado em outros acordos firmados pela União, como no caso de devoluções de recursos desviados em esquemas de corrupção e recuperados pela Operação Lava Jato. O acordo garantiu uma espécie de vinculação do dinheiro para aplicação em ações como combate a desmatamento e educação, mas tudo foi registrado no Orçamento.

Procurado, o Ministério da Economia confirmou que “a receita e a respectiva despesa têm que entrar no Orçamento”. A pasta informou que inclusive a receita do acordo já está na programação deste ano (R$ 332 milhões) e na previsão para 2021 (também R$ 332 milhões).

Segundo a Economia, hoje os valores estão destinados a estudos, obras e/ou serviços ligados ao setor ferroviário devido ao acordo vigente, mas há tratativas para “um emprego mais específico” da verba.

“Dependendo do resultado deste termo aditivo talvez seja necessária alterar a alocação destes recursos previstos no PLOA 2021 via solicitação de alteração durante a tramitação no Congresso Nacional ou por meio de crédito suplementar com remanejamento de dotações durante o exercício de 2021”, afirmou a Economia. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade