Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Socorro às empresas: Zema cita créditos do BDMG, mas volta a pedir apoio dos bancos federais

Governador quer atuação da Caixa e do Banco do Brasil na liberação de empréstimos para reerguer empreendimentos afetados pela pandemia


postado em 02/07/2020 15:44

Cidadãos têm até 31 de agosto para reparcelar tributos cobrados pelo estado.(foto: Willian Dias/ALMG)
Cidadãos têm até 31 de agosto para reparcelar tributos cobrados pelo estado. (foto: Willian Dias/ALMG)
O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) já liberou quase R$ 2 bilhões em crédito empresarial por conta da pandemia do novo coronavírus. O número foi citado pelo governador Romeu Zema (Novo) nesta quarta-feira, durante transmissão ao vivo, feita por meio do Instagram, para comentar o enfrentamento à doença. O chefe do Executivo pediu que as instituições financeiras federais participem do processo de resgate.

“Através do BDMG, temos disponibilizados mais linhas de crédito, apesar dos quase R4 2 bilhões que já disponibilizamos ser insuficiente face à demanda. Os bancos federais estão se mobilizando. Espero que o Banco do Brasil e, principalmente, a Caixa Econômica, atendam às necessidades”, comentou.

Na semana passada, durante videoconferência com a cúpula da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas), Zema afirmou ter sido procurado por empresários, que relataram dificuldades na busca por empréstimosEle disse ter conversado sobre a questão com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Reparcelamento de débitos


O governador citou, também, a possibilidade de renegociar, junto à Fazenda estadual, débitos por tributos como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o Imposto sobre Transmissão Causas Mortis e Doação (ITCD) e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

O reparcelamento pode ser feito até 31 de agosto e está disponível no site da Secretaria de Estado de Fazenda.

“O estado quer que os negócios sobrevivam à crise, para que não tenhamos um desemprego tão alto. Sabemos que o desemprego já aumentou, mas queremos que as empresas tentem, através desses mecanismos, continuar a operar. Sem oxigênio, nenhuma empresa vai sobreviver. O estado está fazendo a sua parte”, finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade