Publicidade

Estado de Minas #PRAENTENDER

Vídeo: Um donut representa a nova economia depois do coronavírus

Vídeo explica tendências de transformação como a teoria do donut e a economia regenerativa


21/05/2020 16:23 - atualizado 14/09/2020 10:51


Com o coronavírus, a crise dos mercados escancara a insustentabilidade de modelos baseados exclusivamente em crescimento. Se na história da humanidade, pandemias têm potencial para inaugurar novas formas de produzir e distribuir recursos, olhar adiante neste momento torna-se exercício fundamental. Fizemos este vídeo #praentender, em termos econômicos, o que será que será. (Veja vídeo abaixo)

"Se juntam neste momento a crise ambiental, a crise da desigualdade, a crise financeira e o coronavírus, que paralisa tudo e nos obriga a pensar: para onde estamos indo?", explica Ladislau Dowbor, economista e professor da PUC-SP. Algumas teorias inovadoras para pensar a economia já vinham sendo desenvolvidas mesmo antes da pandemia.

Uma delas já vai entrar em testes em Amsterdã, na Holanda. Conhecido como teoria do donut, o modelo foi desenvolvido pela economista britânica Kate Raworth, da Universidade de Oxford. De acordo com este conjunto de ideais, o progresso está no equilíbrio e não no crescimento.

A ideia é ir além do Produto Interno Bruto (PIB), porque não dá pra resumir a situação de um país em um cifra só. Ainda mais porque o PIB não mede a desigualdade, ele só mede a velocidade da máquina. Ele não mede o que a gente produz, para quem a gente produz, e com quais impactos ambientais

Ladislau Dowbor, economista e professor da PUC-SP



Outra tendência importante é chamada de economia regenerativa, já debatida há anos, mas que teve processos acelerados com o isolamento social imposto como medida para conter o avanço da pandemia do coronavírus. 

A economia regenerativa é pautada no crescimento, dentro dos limites do planeta. A gente pode destacar três principais pilares: o consumo digital, muito evidente nesse momento, o consumo consciente, que exclui os excessos e prioriza o essencial, e o consumo mais social, aquele em que a empresa se preocupa com seus funcionários, com quem trabalha pra ela e com o meio ambiente de uma forma geral

Paola Carvalho, colunista do Jornal Estado de Minas



Veja o vídeo #praentender e para mais vídeos como este, acesse o nosso canal





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade