Publicidade

Estado de Minas

Black Friday oferece comida a quilo com 30% de desconto em BH

Restaurante self-service da capital entrou na campanha para atrair consumidor, mas as carnes mais caras inviabilizaram promoções em concorrentes; redes de fast-food prometem dois sanduíches pelo preço de um


postado em 27/11/2019 18:38 / atualizado em 28/11/2019 16:50

Self-service no centro da cidade concederá descontos amanhã e nesta sexta-feira, na expectativa de ganhar em divulgação e no fluxo de clientes na loja(foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Self-service no centro da cidade concederá descontos amanhã e nesta sexta-feira, na expectativa de ganhar em divulgação e no fluxo de clientes na loja (foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Atrás de faturamento, num dos setores de maior concorrência no varejo, o da alimentação fora de casa, os donos de restaurantes self-service de Belo Horizonte se dividiram entre estabelecimentos que entraram firme na moda da Black Friday, a maior liquidação do comércio no ano, e aqueles que não vão adotar promoções devido ao aumento do custo com as carnes. As grandes redes de fast-food também criaram ações para tentar atrair clientes e acreditam que ainda há espaço para crescimento do setor na mecampanha.

O restaurante Aromi, instalado no bairro Funcionários, quer repetir um sucesso do marketing realizado no ano passado e oferece descontos no preço da comida a quilo. Nesta sexta-feira, data oficial do evento, os clientes devem encontrar desconto de 30% no quilo da refeição, que custa normalmente R$ 49,90.

Para a sexta-feira da próxima semana, o corte anunciado nos preços é de 15%. O dono do restaurante, Daumer Carvalho, conta que aderiu à campanha para incentivar as vendas e o fluxo de clientes, já que o fim de ano costuma se caracterizar como um período de elevaçãode custos. Ele explica que além das carnes que encareceram, os gastos tradicionais do consumidor bancados com o 13º salário dos funcionários contribuem para redução do fluxo na loja nesta época.

Segundo o comerciante, outro motivo para investir na Black Friday está no ganho da empresa com divulgação. “A gente faz isso para ganhar no giro, na quantidade. Para muita gente que não conhece ter a oportunidade de conhecer”, afirma Carvalho. E os resultados são expressivos: no dia da promoção, o restaurante chega a atender 700 pessoas no horário do almoço. Porém, nem sempre o lucro é certo. “Muitas das vezes o resultado financeiro não é positivo, porque eu vendo abaixo do custo”, diz o comerciante. Dessa forma, elevê a os clientes novos conquistados na campanha como uma espécie de compensação pelos altos custos de operação.

Jorgiane Martins foi atraída por descontos nos preços do almoço e está aproveitando a liquidação para comprar presentes de Natal(foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Jorgiane Martins foi atraída por descontos nos preços do almoço e está aproveitando a liquidação para comprar presentes de Natal (foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Jorgiane Martins é consumidora frequente do restaurante e conta que, por almoçar fora de casa, se sente atraída por esse tipo de desconto. Ela diz que está surpreendida com a adesão de diversos setores à Black Friday, como os supermercados. Porém, não deixou de comprar também itens tradicionais da campanha. “Já aproveitei pra comprar algumas coisas de Natal”, conta. 

Bruno Leandro também almoça com frequência no restaurante, mas não procura ativamente por promoções em alimentação. “É sempre bom. Não procuro, mas quando acho é uma beleza, aproveito mais por oportunidade mesmo”, relata. Ele afirma ter visto poucos anúncios de descontos em restaurantes. Em relação àscompras no período, Bruno preferiu deixar para comprar somente em janeiro.
 
Daumer Carvalho aderiu à campanha para incentivar as vendas e o fluxo de clientes(foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Daumer Carvalho aderiu à campanha para incentivar as vendas e o fluxo de clientes (foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
 

Preços altos


Mesmo com a oportunidade de atrair mais clientes, alguns donos de restaurantes desistiram de oferecer descontos na campanha, principalmente em razão daalta nos preços da carne de boi. É o caso de Fernando Mendonça, dono do restaurante Espinafre, no Barro Preto, na região Centro-Sul de BH. “O preço da carne está muito abusivo. Agora não dá pra repassar o custo”, diz. O comerciante conta que, em mais de 20 anos no ramo, nunca viu reajustesnos preços como os atuais, movimento que começou desde o início do mês.

Levantamento realizado pelo site de pesquisas Mercado Mineiro, que monitorou a variação no preço médio das carnes de boi entre os dias 5 e 21 praticado em Belo Horizonte, comprova a percepção de Fernando.

O preço médio do quilo do contrafilé foi um dos que mais subiu, de R$ 30,93 para R$ 35,10, variação de 15,5%. Enquanto isso, o quilo do filé mignon ficou, em média, 12,23% mais caro, saindo de R$ 40,30 para R$ 45,23. Por fim, a pesquisa também mostra que o preço médio da peça de alcatra também subiu, de R$ 30,12 para R$ 34,23, crescimento de 13,65%.


Sanduíches


Além dos restaurantes self-service, as grandes redes de lanchonetes de comida rápidatambém estão oferecendodescontos vinculados àBlack Friday. As lojas da rede Subway decidiram aliar as ações da época da Black Friday àcomemoração do Dia Mundial do Sanduíche. Apenas amanhã, o cliente poderá comprar dois sanduíches de mesmo sabor pelo preço de um, em todas as73 unidades mantidas pela empresaem Belo Horizonte. Parte da receita será revertida para a Mesa Brasil Sesc, rede nacional de bancos de alimentos que atua contra a fome e o desperdício.

No Brasil, as lanchonetes participam da campanha desde 2017. Para o diretor de marketing do Subway, Gabriel Ferrari, a adesão do segmento alimentício na Black Friday foi algo “natural”. “Esse é um período em que as pessoas estão de olho no varejo e, invariavelmente, ondetem varejo tem alguma área de alimentação em volta”, afirma. Por isso, ele acredita que não é difícil atrair o consumidor para esse tipo de produto, e que o setor só tem a crescer investindo na megaliquidação.

Pizzas


A rede de pizzarias Domino's, que tem 12 unidades em BH, oferece na semana da Black Friday a promoção de duas pizzas médias ou grandes pelo preço de uma. À exceção das versões Pizza Pan e Finíssima, a promoção é válida para pedidos pela internet, por telefone e nas lojas físicas. A marca decidiu entrar na campanha em 2016, com a proposta de “surfar na onda de promoções nacionais”, como define o diretor de marketing no Brasil, Edwin Junior. De acordo como executivo, o público-alvo são as pessoas que já estão buscando descontos nas grandes lojas de eletrônicos e de vestuário. “Por que não dar um desconto para esse pessoal que está sedento por promoções?”, questiona.

Edwin afirma queo número de pedidos quase dobra durante a Black Friday, o que garante resultado positivo para a rede, apesar de haver redução no tíquete médiode compras. “A campanha está ganhando força ano após ano. Por um lado, é bom para movimentar o mercado e consolidar esse momento de consumo. Por outro, precisamos ser cada vez mais criativos para atrair os clientes”, argumenta. Na opinião do diretor de marketing, a iniciativa ainda tem bastante espaço para crescimento no Brasil e o setor de alimentação tem se beneficiado.

* Estagiário sob a supervisão da subeditora Marta Vieira


Publicidade