Publicidade

Estado de Minas

Unilever amplia aposta em negócios sustentáveis

Maior fabricante de bens de consumo do mundo compra ''butique'' de limpeza que usa insumos orgânicos em sua linha de produtos. Onda saudável chega a todas as atividades econômicas


postado em 08/02/2019 06:00 / atualizado em 08/02/2019 09:56

A aquisição da The Laundress põe a Unilever no mercado ''premium'' de produtos de limpeza (foto: DIVULGAÇÃO )
A aquisição da The Laundress põe a Unilever no mercado ''premium'' de produtos de limpeza (foto: DIVULGAÇÃO )

São Paulo – Poucas áreas de negócios cresceram tanto nos últimos anos, e conquistaram uma legião tão grande de adeptos, quanto a de produtos naturais. A onda do saudável e do orgânico chegou a todas as atividades econômicas, transformando por completo hábitos de consumo e obrigando as empresas a se adaptarem aos novos tempos.

No setor de alimentos, as pessoas estão preferindo itens frescos, feitos em casa ou sob encomenda, do que comida industrial processada. Não à toa, gigantes como McDonald’s e Burger King têm incluído no cardápio alimentos que seguem essa tendência. No segmento de bebidas, o cenário é parecido. Os refrigerantes têm sofrido cada vez mais rejeição, e sucos naturais e até água já representam uma ameaça importante. Entre as cervejas, as marcas artesanais agora têm feito o papel do saudável e do novo, com o argumento de que usam menos produtos químicos na produção das bebidas.

Até as fabricantes de bens de consumo entraram na onda. A Unilever, maior empresa desse ramo no mundo, acaba de comprar a The Laundress, uma marca de produtos de limpeza feitos com insumos naturais, em mais um movimento de uma gigante global em direção a produtos saudáveis e ecologicamente amigáveis.

Desta vez, a aquisição também coloca a companhia no mercado “premium” de produtos de limpeza. Fundada por ex-executivas da Chanel e da Ralph Lauren, duas das grifes de luxo mais tradicionais do mundo, a The Laundress conta com uma butique no Soho, em Nova York, que mais se assemelha a uma loja de cosméticos: o endereço é perfumado e elegante, e os vendedores foram treinados para explicar em detalhes os atributos de cada produto.

Com embalagens de design “clean”, a The Laundress também tem canal digital: vende principalmente pelo e-commerce e conta, inclusive, com um serviço de assinatura mensal dos produtos.

O faturamento ainda é pequeno se comparado às receitas das gigantes do setor de limpeza: são cerca de US$ 12 milhões por ano, segundo estimativas feitas pelo mercado. A boa notícia é que a empresa vem crescendo a taxas de dois dígitos desde 2010. O valor que a Unilever pagou pela The Laundress, porém, não foi revelado.

“Com seu crescimento acelerado nos Estados Unidos e na China, principalmente entre a geração millennial, a The Laundress é um forte complemento ao nosso portfólio de marcas líderes de limpeza”, afirmou por meio de comunicado o executivo Kees Kruythoff, presidente do negócio de home care da Unilever.

Fundada em 2004 por Gwen Whiting e Lindsey Boy, duas veteranas do setor de moda, a The Laundress nasceu oferecendo apenas um produto: o Wool and Cashmere Shampoo, usado para a limpeza de lãs e cashmere.

Com a boa aceitação do mercado, a empresa resolveu seguir adiante. Atualmente, conta com um extenso portfólio de 85 itens, que vão desde o detergente – o carro-chefe e principal gerador de receitas da empresa – até um spray para tecidos. Na loja física, os produtos são separados de acordo com o tecido a que se destinam, da lã e cashmere ao jeans, passando por roupas de bebê, um diferencial que, segundo afirma a empresa, não é encontrado em nenhuma outra concorrente.

De acordo com a Unilever, a marca continuará sendo administrada pelas fundadoras como um negócio independente. Lindsey, a atual CEO e principal responsável por fazer a empresa deslanchar nos últimos anos, seguirá no comando da marca.

O esforço da Unilever para balancear seu portfólio não vem de hoje e não está restrito ao setor de limpeza. Nos últimos anos, a companhia tem feito diversas aquisições de marcas de produtos sustentáveis e naturais. Há cerca de seis meses, comprou a italiana Equilibra, especializada no setor de higiene e beleza. No final de 2017, foi a vez da brasileira Mãe Terra, que produz alimentos saudáveis.


Publicidade