Publicidade

Estado de Minas

Unilever amplia fábrica no Sul de Minas Gerais

Investimentos da multinacional em Pouso Alegre alcançarão R$ 127 milhões, com geração de 350 empregos


postado em 14/11/2018 20:57 / atualizado em 15/11/2018 10:38

Fábrica mineira absorverá linha de produção que estava abrigada em Goiânia (foto: Flávio Dominguito %u2013 14/4/06 )
Fábrica mineira absorverá linha de produção que estava abrigada em Goiânia (foto: Flávio Dominguito %u2013 14/4/06 )
A Unilever Brasil anunciou nesta quarta-feira (14) que vai expandir suas operações em Minas a partir do próximo ano. Na terça-feira, executivos da multinacional e da prefeitura de Pouso Alegre, no Sul do estado, assinaram protocolo de intenções para a expansão da fábrica.

A partir de 2019, a linha de produção da maionese Hellmann's passa ser feita no município mineiro, além de outros itens. Segundo Renato Miatello, vice-presidente da cadeia de suprimentos da companhia, os investimentos alcançarão R$ 127 milhões. A empresa espera receita adicional de R$ 290 milhões já no próximo ano e de R$ 1 bilhão em 2020.
 
Além da linha de maionese, passarão a ser produzidos no estado molhos para salada, mostarda, catchup, temperos em pó e pasta, sobremesas e comidas prontas.

A multinacional atua em Pouso Alegre com a fabricação de caldos e sopas, bebidas à base de soja e temperos em pó. No município também já funciona um dos principais centros de distribuição da Unilever. A linha de maioneses era operada na cidade, mas há cerca de 12 anos foi transferida para Goiânia (GO) e agora faz o caminho contrário.
 
“O contexto mudou. A Univeler Brasil vendeu o negocio de tomates para outra empresa e hoje somente a planta de maionese está lá (em Gioânia) em prédio que não é nosso. Além disso, o volume de produção de maionese é três vezes maior, o que demanda mais infraestrutura”, afirmou Miatello, justificando a mudança.

Outros critérios pesaram, da mesma forma, na escolha do município, de acordo com o executivo, como localização, geografia, facilidade de acesso e proximidade com grandes centros consumidores, disponibilidade de energia e qualidade de mão de obra.
 
A expectativa é de que a expansão da planta industrial gere cerca de 350 empregos diretos e indiretos. As obras já foram iniciadas. Renato Miatello informou que a multinacional pretende investir pesado no país, a despeito da crise da economia.

“Seguimos investindo forte no Brasil, independe da recessão e da crise dos últimos anos. Ano que vem, a empesa completa 90 anos e tem plano robusto de investimentos. A gente segue acreditando no país”,a firmou.
 
A Unilever tem mais de 400 marcas, presentes em 190 países, atendendo 2,5 bilhões de consumidores por dia. Com 161 mil funcionários e mais da metade (57%) de sua atuação concentrada nos mercados emergentes, a companhia gerou vendas de 53.7 bilhões de euros no ano de 2017, segundo dados da companhia.
 
A expansão da fábrica foi comemorada pelo prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões (PSDB), que acredita que a cidade, em breve, será uma “das mais importantes de Minas”.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico da cidade, Dino Francescato, as condições da cidade favoreceram a oportunidade de a empresa incrementar sua planta industrial na cidade, além da política do município de oferecer às empresas possibilidade de se instalar na cidade.

 “Pouso Alegre é uma cidade fácil de ser vendida, por uma série de características que a tornam ímpar no cenário brasileiro. Está no centro geográfico dos quatro maiores centros consumidores, além de ter mão de obra de boa qualidade e infraestrutura”, afirmou.
 
O município espera atrair outras grandes empresas nos próximos meses. A intenção é fazer com que a cidade fique entre as 15 melhores para investimentos no país.

“Somando tudo que está previsto em protocolos de intenções assinados, devemos ter aqui, nos próximos dois anos, cerca de R$ 1,2 bilhão (em investimentos). Esses recursos vão gerar 4 mil novos empregos diretos. Em relação ao faturamento, e, portanto, com impacto na arrecadação do município, são cerca de R$ 6 bilhões”, estimou Francescato.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade