Publicidade

Estado de Minas TRANSPORTE

Sócio da TAP busca negócios no Brasil

Dono do Grupo Barraqueiro avalia aumentar os investimentos no país com a operação de linhas de metrô, área que domina em Portugal, sede da empresa, desde 1914


postado em 25/06/2018 06:00 / atualizado em 25/06/2018 08:29

Para Humberto Pedrosa, presidente do Conselho de Adminstração da TAP, o momento é oportuno(foto: Arquivo pessoal)
Para Humberto Pedrosa, presidente do Conselho de Adminstração da TAP, o momento é oportuno (foto: Arquivo pessoal)

Lisboa – Sócio de David Neeleman na TAP, por meio da Atlantic Gateway, o empresário português Humberto Pedrosa está atento a oportunidades de investimento fora de Portugal, mais especificamente no Brasil. No radar, negócios na área de transporte.
O plano de Pedrosa, que é presidente do Conselho de Administração da TAP e do Grupo Barraqueiro, é aumentar as apostas no Brasil por meio da operação de linhas de metrô. Hoje, sua empresa atua em território brasileiro por meio de três empresas de transporte urbano – duas em Fortaleza e uma em Manaus.


O Barraqueiro é o maior grupo de transportes em Portugal. No ano passado, atendeu 300 milhões de passageiros. Em Portugal, detém a concessão para a operação ferroviária da Ponte 25 de Abril, por meio da empresa Fertagus, da Metrô Sul do Tejo (MTS) e, ainda, do Metrô do Porto, além do serviço público de transporte de passageiros no Centro e no Sul do país e serviços na área de turismo rodoviário e fluvial.


“Estamos à espera de alguns negócios ligados à operação de metrô”, diz Pedrosa, sem dar muitos detalhes. Apesar do momento ruim da economia brasileira, o empresário não se sente desestimulado. Para ele, este pode ser o momento mais oportuno para investir no Brasil.


O Grupo Barraqueiro começou sua expansão internacional em 2011, por meio de parceria na área de transportes rodoviários de passageiros em Manaus, com a empresa Veja Manaus. Naquele mesmo ano, chegou a Angola com a criação da RodoAtlantic Angola, com sede em Luanda, voltada ao transporte de mercadorias.
“Na crise, podem surgir boas oportunidades de investimento. Acredito que essa situação difícil é passageira e o país vai encontrar seu caminho novamente. O Brasil é um país rico e pode ir muito longe, mas, para isso, é preciso estabilidade e confiança”, avalia Pedrosa.


O empresário afirma que, atualmente, seu país vive situação econômica muito mais estável se comparada à de 2011, quando foi preciso assinar memorando de entendimento com a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu (BCE) para ajustar a economia. A troika durou até 2014 e foi um teste de pressão para os portugueses.


“Hoje, temos limitações para crescer em Portugal na área de transporte rodoviário de passageiros por causa do tamanho do país, por isso, escolhemos o Brasil para aumentar nossos negócios. Gostamos e temos experiência em transporte pesado e em infraestrutura”, diz.

CRESCIMENTO
Apesar de dominar o transporte português e de olhar com mais atenção para as oportunidades que possam surgir no Brasil, Pedrosa avança à medida que surgem possibilidades para crescer. Foi assim na semana passada, quando uma das empresas do seu grupo, a Cityrama, adquiriu a empresa Roller Town, que explora o serviço de “sightseeing” em 10 ônibus turísticos da marca Douro Blue Bus. O contrato de venda foi assinado por 3 milhões de euros.


Até que os planos de ampliar os aportes de capital em novos negócios sejam concretizados no Brasil, Pedrosa contabiliza os avanços com a TAP. “Neste momento, estamos digerindo a TAP. Nosso projeto de crescimento para a empresa é muito ambicioso. Hoje, menos de três anos depois da privatização, podemos dizer que tudo está avançando muito bem, além da nossa expectativa”, afirma. Mas o começo foi difícil, admite. No ano passado, chegou a declarar que a companhia aérea estava tirando seu sono.


Em 2017, a TAP conseguiu reverter os prejuízos históricos e chegou a um lucro de 100,4 milhões de euros.  O resultado foi obtido um ano antes do esperado, pelos sócios da Atlantic Gateway. “O que nos ajudou muito a chegar a esse desempenho é que, graças aos investimentos que foram feitos até agora, conseguimos transportar muito mais passageiros”, afirma Pedrosa.

*A jornalista viajou a convite da TAP

 

 O que é o Grupo Barraqueiro

>> Área de atuação 
transporte rodoviário, ferroviário e fluvial

>> Ano de fundação  |
1914

>> Passageiros transportados em 2017  300 milhões

>> Chegada ao Brasil 
2011

>> Negócios no Brasil
operação de transporte urbano em Fortaleza e Manaus

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade