Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Vitiligo: entenda a doença de Natália Deodato, participante do BBB22

Modelo descobriu aos 9 anos a doença que, hoje, encara de peito aberto: 'É assim que as pessoas vão ter que me respeitar'


18/01/2022 13:50 - atualizado 18/01/2022 15:32

Vitiligo
Entenda tudo sobre a doença da nova participante do BBB-22. Vitiligo é uma doença autoimune e não contagiosa (foto: Instagram Natália Deodato/Divulgação )

 

Anunciada pela Globo na última sexta-feira (14/1) como uma das participantes do "BBB22", a modelo e designer de unhas Natália Deodato, 22 anos, é portadora de vitiligo, doença que descobriu aos 9 anos, quando as primeiras manchas começaram a aparecer. “O que falta nas pessoas é informação”, disse a participante sobre sua doença.

 

Natália conta que quando tinha apenas 9 anos percebeu uma manchinha bem pequena no olho e outras duas atrás da nuca e do joelho, e que cerca de um mês depois já estava toda “pintadinha”. O diagnóstico de vitiligo só veio depois de um ano e meio. “Eu tinha vergonha, tampava, usava muita maquiagem. Foi quando realmente decidi encarar de peito aberto. Essa sou eu, é assim que eu quero que as pessoas me vejam e é assim que as pessoas vão ter que me respeitar”, desabafou a sister no vídeo de apresentação.

 

Entenda o vitiligo

 

O vitiligo é uma doença de pele autoimune e não contagiosa que se caracteriza pelo surgimento de manchas brancas, claras ou com total ausência de cor. “Isso acontece pela ausência ou diminuição dos melanócitos, que são as células que dão cor pra pele”, explica a dermatologista e preceptora do Ambulatório de Psoríase e Imunobiológico da Santa Casa, Michelle Diniz.  

 

De acordo com a profissional, a doença pode aparecer em qualquer idade, inclusive em crianças, como foi o caso da participante da casa mais vigiada do Brasil.

 

Tipos de vitiligo

 

O vitiligo possui 6 classificações, de acordo com o local em que as manchas aparecem

  • Comum: manchas no tórax, abdome, pernas, braços, pescoço, nádegas, axilas e outras áreas acrofaciais;

  • Segmentar: manchas distribuídas unilateralmente, apenas em uma parte do corpo;
  • Focal: manchas pequenas em uma área específica do corpo;

  • Mucosal: manchas somente nas mucosas, como lábios e região genital;

  • Universal: várias manchas espalhadas pelo corpo todo;

  • Acrofacial: lesões nos dedos e envolta dos olhos, da boca, do ânus e genitais.

 

Predisposição genética

 

“Acredita-se que exista uma predisposição genética, alguns pacientes que têm história na família possuem uma chance maior de desenvolver a doença, mas não existe um tratamento preventivo para que a condição seja evitada” diz a dermatologista.

 

Além disso, por ser uma doença autoimune, ele pode estar associado a outras doenças autoimunes, principalmente com doenças da tireoide, como tireoidite de Hashimoto e a doença de lúpus. Dito isso, a médica ressalta a importância de investigar estas outras condições em pacientes diagnosticados com o vitiligo.

 

Sintomas

 

As manchas, normalmente não possuem nenhum sintoma, como ardor ou coceira. Então, os primeiros sinais são as manchas em si, que podem começar apenas um pouco mais clara que a pele – chamadas de hipocrômicas – e depois tornarem-se totalmente brancas, as chamadas manchas acrômicas (ausência total de coloração).

 

É comum ter no meio das manchas brancas alguns resquícios de pigmentação. Ademais, a especialista destaca que, dentre os sintomas, pode haver comprometimento também dos pelos, então é comum os cabelos ficarem brancos no local em que há pouco ou não há os melanócitos, podendo acontecer tanto no corpo quanto no couro cabeludo.

 

O vitiligo pode acometer uma região do corpo ou então ter um comprometimento simétrico, muito comum em adultos. O aparecimento das manchas também está muito relacionado a áreas de trauma, “Áreas ou traumas pode favorecer o aparecimento das lesões”, detalha.

Fatores agravantes

 

Existem alguns fatores agravantes para o aparecimento das lesões e, dentre eles, muitas vezes descrita o estresse. Então a doença pode sim estar relacionado ao emocional, ao psicológico. Por isso, é essencial investigar cada paciente acometido pelo vitiligo para que, identificado algum estresse psicológico, ele possa ser tratado.

 

Tratamento

 

Segundo a dermatologista, os tratamentos são feitos com intuito de estimular o retorno da pigmentação dos locais que perderam a cor. Não há um tratamento para poder evitar um surgimento das manchas, e o que deve ser feito é justamente evitar os traumas na pele.

 

“Nós dermatologistas, recomendamos para nossos pacientes com vitiligo evitar fazer tatuagem, ter um cuidado redobrado com os machucados e evitar roupas muito apertadas que podem gerar um atrito na pele e potencializar o surgimento das manchas”, finaliza.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade