Publicidade

Estado de Minas DOENÇAS RESPIRATÓRIAS

Tempo seco de BH dobra atendimentos a crianças com doenças respiratórias

Segundo o pneumologista Alberto Vergara, as medidas já adotadas para a prevenção da COVID-19 também servem para prevenir outras doenças respiratórias


12/07/2021 18:07 - atualizado 13/07/2021 00:02

As internações no CTI também tiveram um aumento e foram de 768 para 1.353 (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press )
As internações no CTI também tiveram um aumento e foram de 768 para 1.353 (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press )
A chegada do inverno e do tempo seco traz o aumento no número de atendimentos a crianças com doenças respiratórias. No Hospital Infantil Joao Paulo II (HIJPII), no Centro de BH, a quantidade de casos deste ano dobrou em comparação ao mesmo período de 2020.
 
Segundo o pneumologista pediatra do HIJPII Alberto Vergara, o crescimento nos casos se dá devido à redução do distanciamento social. "No ano passado, com as pessoas mais isoladas em razão da COVID-19, as crianças tiveram menos contato social, evitando o contágio interpessoal e, consequentemente, desenvolvendo menos infecções virais. Com isso, o número de atendimentos pediátricos caiu 80%", diz o pneumologista. 
 
O tempo seco é um grande impulsionador de crises asmáticas, rinite alérgica, dermatite atópica e infecções virais respiratórias e bacterianas secundárias aos quadros virais. De acordo com Vergara, com a baixa umidade relativa do ar, as secreções do líquido pêro-ciliar podem se desidratar e alterar a limpeza das secreções das vias respiratórias, o que dificulta a eliminação de micro-organismos. "Por isso, recomenda-se o aumento do consumo de água e a aplicação de soro fisiológico nasal", explica.
 
Nathalia Cássia de Alcântara conta que a filha Cecília, de 8 anos, ficou internada no HIJPII, por causa de uma doença respiratória. "Minha filha tinha sintomas de gripe, se queixava de dor de cabeça e garganta e apresentava saturação baixa (dificuldade de respirar). Tivemos muito medo que ela estivesse com COVID-19. Mas o exame deu negativo e ela foi diagnosticada com uma crise de asma", conta.

Casos

Entre abril e junho de 2021, foram atendidas 3.311 crianças com problemas respiratórios na unidade do HIJPII, um aumento de mais de 50% em comparação com os 1.258 casos registrados em 2020. 
 
As internações no CTI também tiveram um aumento e foram de 768 para 1.353. 

Como prevenir

De acordo com Alberto Vergara, a prevenção de infecções começa com os hábitos saudáveis. Alimentação com consumo adequado de frutas, verduras, legumes, carboidratos, proteínas e gorduras, hidratar-se durante o dia, dormir bem e manter uma rotina de exercícios físicos auxiliam no fortalecimento do sistema imunológico e na prevenção de doenças.  
 
As medidas já adotadas para a prevenção da COVID-19, como higienizar as mãos com frequência, evitar aglomerações e locais mal ventilados e utilizar máscara, também podem ser aplicadas para a prevenção do contágio de outras doenças respiratórias.  
 
O pneumologista ressalta para a importância da vacinação em crianças. "Os responsáveis devem estar atentos ao cartão de vacinação e não esquecer da imunização contra a Influenza, que está disponível, nos postos de saúde, para crianças até 12 anos", afirma.

Perigos da automedicação

O médico alerta para o perigo da automedicação, como a suplementação vitamínica. Segundo ele, a suplementação só é indicada para os casos comprovados com exames e avaliação médica de hipovitaminose. "O consumo em excesso de vitaminas, como a vitamina D, que muitas pessoas costumam repor por conta própria, pode provocar problemas graves", diz. 
 
Ainda segundo o profissional, não é correto automedicar-se com antialérgicos, antitussígenos (usados para tratar tosse seca), mucolíticos (xaropes expectorantes) e antibióticos. Os medicamentos sintomáticos devem ser prescritos após uma avaliação profissional e são indicados para tratar sintomas leves, quando não há sinais de comprometimento do estado geral. 
 
De acordo com Vergara, "quando a febre consegue ser controlada com a medicação, a criança consegue se alimentar razoavelmente bem, está brincando e interagindo normalmente". E caso a os sintomas piorem ou persistam, é recomendado procurar assistência médica.
 
"Quando a febre não cede, a criança fica prostrada, não alimenta, apresenta dificuldade para respirar, vômitos, sonolência, febre alta (a partir de 39 graus centígrados) ou diminuição da urina, o recomendado é que o responsável a leve a um centro de saúde para avaliação médica", orienta Vergara.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade