Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO

Quem vence a disputa interna na campanha de Bolsonaro

'O presidente ainda oscila entre os defensores da campanha tradicional e seus antigos apoiadores. Prova disso foi a fatídica reunião com os embaixadores'


25/07/2022 04:00 - atualizado 24/07/2022 16:46

bolsonaro e a primeira-dama, Michelle, em evento do PL no Rio de Janeiro em 24/7/22
O presidente e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, em evento do PL no Rio (foto: MAURO PIMENTEL/AFP)
O presidente Bolsonaro possui duas campanhas paralelas em curso: uma comandada pelos seus antigos aliados que o levaram ao Palácio do Planalto da primeira vez, cujo representante principal é seu filho Carlos Bolsonaro; e a outra, idealizada por seus novos aliados da política tradicional, que tem como uma das lideranças o senador Ciro Nogueira e  o presidente do PL, Valdemar da Costa Neto.

Nada disso é novidade, até porque Carlos Bolsonaro, ainda em junho, fez questão de expor o descontentamento com os rumos da campanha coordenada pela ala política. O publicitário escolhido pelo Partido Liberal foi Duda Lima e foi dele a ideia do slogan para reeleição do presidente “Sem Pandemia, sem corrupção, com Deus no coração. Ninguém segura essa nação.”

Logo na sequência da divulgação, Carlos publica no Twitter: “Vou continuar fazendo o meu aqui e dane-se esse papo de profissionais do marketing. Meu Deus!”



É verdade que depois do lançamento oficial, pouco se ouviu o tal slogan, mas como a campanha ainda não começou oficialmente, então é difícil saber se a ideia foi abandonada ou se ressurgirá na propaganda oficial. De qualquer forma, o presidente ainda oscila entre os defensores da campanha tradicional e seus antigos apoiadores. Prova disso foi a fatídica reunião com os embaixadores na semana passada.

O núcleo que lidera a campanha tradicional avaliou como negativa a apresentação contra as urnas eletrônicas. Segundo eles, pesquisas internas sinalizam para uma queda na intenção de votos do presidente e o foco deveria permanecer nas pautas positivas produzidas pelo governo recentemente, que têm potencial para reduzir sua rejeição.

Aliás, essa ala política entende que a rejeição é a determinante dessa campanha. A última pesquisa Exame/Ideia indica que 46% não votariam em Bolsonaro de forma alguma, contra 40% de Lula.

Esses números são bastantes semelhantes aos outros institutos de pesquisa que também convergem para os recortes do eleitorado no qual essa rejeição é maior: jovens, estudantes, a população com renda abaixo de três salários-mínimos ou desempregados e mulheres.

A rejeição entre as mulheres é especialmente preocupante, já que hoje 53% do eleitorado é feminino. O marqueteiro oficial de Bolsonaro buscou envolver a primeira-dama na pré-campanha, mas enfrentou muita resistência.

Até aqui, a recém-nomeada presidente da Caixa Econômica Federal Daniella Marques colaborou mais para a redução da rejeição do que Michelle Bolsonaro. Ainda existe expectativa de que a primeira-dama, juntamente com a ex-ministra Damares Alves, se engajem mais e ajudem o presidente a reduzir a rejeição.

A vacina contra a desaprovação entre os mais pobres seria a exposição do programa social reforçado, a provável redução da inflação nos meses que antecederão a eleição e as visitas constantes às regiões onde o presidente é mais rejeitado, em especial, o Nordeste. Nota-se que nessa programação não existe espaço para reunião com embaixadores.

Do ponto de vista dos apoiadores mais ideológicos, basta Bolsonaro conseguir manter seus 30% de eleitorado coeso para passar ao segundo turno e, assim, vencer a eleição novamente considerando a força do antipetismo. Seria importante manter bandeiras antissistemas presentes no discurso do presidente (“Lula é candidato do Fachin e de Alexandre de Moraes”, por exemplo).

Quando esse ponto de vista encontra eco entre o que os militares que rodeiam o presidente entendem adequado, o resultado é o espetáculo esdrúxulo para os embaixadores.

Ontem (24/7) foi lançada oficialmente a campanha do presidente Bolsonaro, em evento no Maracanãzinho. Por se tratar de uma convenção partidária, quem deu as cartas foi mesmo a ala política da campanha, mas isso está longe de indicar que Carlos Bolsonaro não será figura extremamente influente.

Agora, se existe dúvida em qual será a estratégia para sair vencedor em outubro, não existe nenhuma que para governar, Bolsonaro precisará de Valdemar e companhia. Esse parece ter sido um dos principais aprendizados do primeiro mandato e permanecerá para o segundo: se Bolsonaro ganhar, a política tradicional é quem manda.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade