Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

STF, Lava-Jato, Moro, Lula e a lição que fica

Que, no futuro, ninguém ouse desafiar as elites política e empresarial corruptas do Brasil, sob pena de se tornar criminoso


23/04/2021 07:06

(foto: Carlos Reis/Flickr)
(foto: Carlos Reis/Flickr)


Nunca antes na história deste País, como diria aquele notório meliante de São Bernardo, o líder da maior quadrilha de assalto a cofres públicos da história mundial e agora transformado em vítima de juízes malvados, um grupo de agentes públicos, com o apoio irrestrito da ampla maioria da sociedade, ousou enfrentar, de forma tão dura e audaciosa, as elites corruptas da política e do mundo empresarial.

A Operação Lava-Jato, reconhecida internacionalmente como marco brasileiro no combate à corrupção, cujo resultado - além do desmonte da maior organização criminosa do País, três centenas de condenações penais e a recuperação bilionária de ativos e dinheiro roubado - foi uma extraordinária lufada de esperança de termos um Brasil com menos corrupção e impunidade, chegou ao capítulo final.

O pleno do STF (Supremo Tribunal Federal) já formou maioria (por ora, 7x2) e decidiu a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, nos dois processos em que o magistrado condenou o ex-presidente Lula à prisão, por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, contrariando três desembargadores de segunda instância e ao menos cinco ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Mas, ainda antes disso, por vontade do atual presidente da República, Jair Bolsonaro, que nomeou para a PGR (Procuradoria Geral da República) Augusto Aras, e, para o Supremo, o ministro Kássio Nunes Marques, ambos ferrenhos combatentes da Lava Jato, a Operação já havia sido extinta e seus principais procuradores, assim como Moro, perseguidos em uma caçada virulenta e revanchista.

Contudo, o mais incrível em toda essa farsa jurídica, é que o próprio pleno do Tribunal já julgou anuladas as decisões do ex-juiz federal. Diante disso, cabe perguntar: como alguém pode ser considerado suspeito em processos que nem sequer existem? Se a suspeição é a “parcialidade” do magistrado nas condenações, e se essas condenações foram anuladas, que raio de suspeição ainda resta a declarar? 

O resultado final é que Lula jamais será condenado outra vez. Dezenas de réus confessos, como Marcelo Odebrecht, poderão recorrer de suas penas e multas sob os mesmos argumentos falaciosos de suspeição (de Sergio Moro) ou de incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba. E os agentes que participaram da Operação Lava-Jato, como Deltan Dallagnol, poderão ser julgados e punidos.

O recado que o STF, capitaneado por Gilmar Mendes, luxuosamente auxiliado por Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski, todos estes, aí sim, muito mais do que suspeitos, passa à sociedade e aos agentes públicos, é simples e direto: não mexam conosco! Não mexam com nossos padrinhos políticos! Não mexam com o Brasil! Queremos o País assim! Gostamos Dele assim! Ganhamos com Ele assim! Precisa desenhar?

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade