Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

O que você ganha quando o governo investe em turismo e cultura?

''menor sinal de crise, as primeiras reclamações são: 'não vai cancelar o carnaval? ', 'restaurar igreja e investir em museu com os hospitais sem leitos?'''


21/07/2020 07:34 - atualizado 21/07/2020 08:25

(foto: Anne Souza)
(foto: Anne Souza)

Em tempos de crise, sempre é necessário refletir. Por isso esse tema é tão relevante neste momento, afinal já temos um discurso pronto para esta questão. Se alguém pergunta se é importante que o governo invista em turismo e cultura, a resposta em geral é sim. Entretanto, ao menor sinal de crise, as primeiras reclamações são: “não vai cancelar o carnaval? “, “restaurar igreja e investir em museu com os hospitais sem leitos? ”, e por aí vai.

Em primeiro lugar, precisamos deixar claras a importância e prioridade que devem ter os investimentos em saúde, educação e segurança. Mas, pense bem, os destinos mais visitados do mundo são justamente os que têm mais desenvolvidos esses setores. Porque ninguém – ou pouca gente – vai querer visitar um lugar onde não há investimento nessas áreas. Quer dizer que os turistas pesquisam sobre isso antes de visitar um local?! Claro que não! Mas quando um governo investe nestas prioridades, isso se reflete no cotidiano daquela comunidade. Seja uma metrópole ou um lugarejo.

A partir desses investimentos, uma engrenagem começa a funcionar: é mais fácil e seguro circular pelas ruas, existe transporte público eficiente, as estruturas básicas funcionam e qualquer pessoa na rua é capaz de dar informações elementares sobre aquele lugar. Ou seja, essa é a descrição não só da rotina de uma comunidade bem gerida, mas também da atividade turística acontecendo de maneira plena. Porém, na vida real, temos que trocar o pneu com o carro andando.

O que quero dizer é que não é possível resolver todos os problemas estruturais primeiro para depois investir em áreas secundárias. Essa é a grande equação a ser decifrada. Contudo, é essencial que pensemos no ser humano não apenas como subsistência, mas como existência. Isto nos dá o direito de queremos mais, e não apenas, saúde, educação e segurança, pois isso é elementar.

Neste sentido, precisamos entender que ainda que os orçamentos de turismo e cultura sejam tão pequenos, são necessárias políticas que incentivem o setor a crescer, até que seja possível destinar um orçamento mais robusto para eles. Entender que as grandes empresas que patrocinam carnaval e outras tantas manifestações da nossa cultura sejam cada vez mais incentivadas a fazê-lo, de maneira coerente e correta, para que o orçamento público possa investir nas necessidades básicas da população. Que o empreendedorismo seja de fato incentivado, para que os pequenos empresários de destinos turísticos consigam transformá-los em grandes destinos, não em território, mas em excelência. 

E então, um destino vai te capturar e fazer você querer ir lá visitá-lo, de qualquer maneira. E isso vai acontecer várias vezes, porque mover e conhecer faz parte da nossa essência. Nunca entendemos isso tanto quanto agora! E pode ser que em um momento você visite, e no seguinte, você seja visitado! Porque turismo é isso! A beleza de circular, de conhecer e ser conhecido.

E a cultura?! Ah, a cultura é a magia que vai te propiciar viver tudo isso, porque a cultura vai estar no quadro do quarto da pousada, talvez pintado por senhorzinho muito simpático que mora num bairro distante, no docinho que só se encontra naquele lugar, no museu que só ele conta aquela história, na sacada ou varanda que tem que ser daquele jeito justamente por estar ali. Vai estar também na música que só aquela baladinha daquela cidadezinha tem, e que mesmo que você baixe no seu celular, ela faz mais sentido quando tocada lá, e na boneca de barro que só tem por ali, mas que vai combinar na sua sala e toda vez que olhar para ela vai lembrar daquela viagem. Mas especialmente nas pessoas, e no ir e vir, que fazem de cada lugar único e cada experiência única. Tudo isso só acontece e permanece se houver um olhar de gestão para o turismo e a cultura.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade