Publicidade

Estado de Minas

Voos para destinos nacionais são os mais procurados para pós-pandemia

A pesquisa realizada pela MaxMilhas aponta a retomada de viagens para a partir de julho


postado em 08/06/2020 11:00 / atualizado em 08/06/2020 11:05


(foto: Pixabay / Reprodução)
(foto: Pixabay / Reprodução)


Uma pesquisa realizada pela MaxMilhas, plataforma de venda de passagens e milhas aéreas, apontou que os voos nacionais são os mais procurados para o período pós-pandemia. O estudo levantou as intenções de busca por voos nos próximos 60 dias.

No levantamento, a empresa destacou que os 83% da preferência por voos nacionais se justificam pelas restrições das fronteiras internacionais, que ainda apresentam reabertura incerta. Além disso, outros fatores são o turismo de lazer e compromissos pessoais, como reencontrar a família.

As cidades do
Nordeste são as mais procuradas. No ranking, aparecem Salvador, Fortaleza, Recife, Maceió e Natal entre as mais buscadas. São Paulo e Porto alegre também se destacaram.

Outro dado da pesquisa que aponta a preferência pelo turismo doméstico foi a queda de preço médio das tarifas para alguns destinos nacionais. A pesquisa também apontou os períodos mais procurados para os voos.

Para os destinos nacionais, 50% pesquisaram viagens para daqui a dois meses e 40% para daqui a 45 dias. A média do período de permanência nos destinos mais procurados é de seis dias. Em relação às viagens internacionais, os períodos mais procurados para daqui a dois meses (50%) e daqui a 45 dias (49%). A média de permanência para esse tipo de voo varia entre 10 a 15 dias.

Um fato inédito foi a presença de São Paulo entre as 10 viagens internacionais mais procuradas, principalmente por voos partindo de Miami e Lisboa. Resultado que, provavelmente, se deve à parcela de brasileiros que desejam voltar ao país.

De acordo com Tahiana D’Edmout, sócia da MaxMilhas, os resultados de vendas de passagens começam a melhorar: “Os resultados de maio estão 15% melhores do que os de abril, puxados principalmente pelos destinos nacionais. Por serem voos mais baratos, para distâncias mais curtas e sem restrições de fronteiras, a tendência é que as pessoas prefiram viajar pelo Brasil, que ainda é um país pouco explorado”.

* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade