Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA

'Sou uma mulher contemporânea', diz a ativista Júlia Pontes

Ativista ganhou destaque ao relatar uma situação abusiva e ao se formar como mestre nos EUA


03/07/2022 04:00 - atualizado 02/07/2022 16:48

Júlia na formatura com a filha Stella Lyra
Júlia na formatura com a filha Stella Lyra, de 8 meses (foto: Raphaela Melsohn/Divulgação )

A mineira Júlia Pontes é artista, fotógrafa, pesquisadora e ativista. Ela acaba de terminar seu mestrado em artes visuais na Columbia University, em Nova York (EUA). Na formatura, com a  filha Stella Lyra, de 8 meses, no colo, ganhou destaque não só entre os alunos, mas foi notícia em vários portais de notícias dos Estados Unidos. Em sua rede social, Júlia fez um relato em que contou ter passado por uma relação abusiva, as dificuldades que teve para chegar a se formar, e estimulou outras mães solo a não desistirem de seus sonhos. “Não sou heroína e não queria ser. Também não preciso de dó, pena ou julgamento. O que nós, mães, precisamos é de um sistema que entenda o que passamos e que nos dê suporte para que possamos ser a melhor versão de nós mesmas.” 
 
 

Filha de Túlio Mourão, mineiro de Divinópolis, compositor, pianista e arranjador brasileiro, desde 2015 Júlia se dedica a  pesquisar, documentar e denunciar a devastação humanitária e ambiental causada pela mineração. Seu trabalho foi reconhecido e premiado pela Planetary Alliance da Universidade de Harvard, instituição da qual é embaixadora. 

Atualmente, ´é bolsista da National Geographic Foundation, com um trabalho de documentação do impacto da pandemia em comunidades atingidas pela mineração em Minas. Dos EUA, ela conversou com o Bem Viver sobre ser mulher, mãe, militante e suas batalhas pessoais, pelo outro e pela sociedade. 

Fale um pouco de suas raízes e como se formou mulher do seu tempo.
Sou uma mulher contemporânea, mas minhas raízes estão em BH. Minha família é de Divinópolis, e todos nós, essa herança, a criação em Minas foram fundamentais para a pessoa que sou hoje. Sou muito arraigada no meu solo, na relação com a terra e com as montanhas. Saí de BH em 2004, fiquei 10 anos na Argentina, o que também foi importante para me tornar quem sou. Buenos Aires é a capital financeira e política de um país que convive com toda a movimentação social que ocorre por lá, panelaços e protestos, ainda muito arraigado no sexismo, no machismo. Por outro lado, é progressista em políticas da mulher. A Argentina foi o primeiro país da América Latina a autorizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, a aprovar o aborto, tem muitas mulheres no congresso, na política, e isso foi fundamental na minha formação. Em 2014, me mudei para Nova York, porque sempre quis trabalhar com políticas públicas. Quando me formei e fui trabalhar no governo foi difícil porque vi que não teria estômago para lidar com a política. Eu queria falar sobre causas sociais. Então, migrei para a fotografia e, em Nova York, encontrei espaço para pensar a foto e o documentário e desenvolver meu pensamento crítico em relação à mineração e todas as coisas que fazem parte do meu trabalho. Hoje, fico aqui, mas sempre volto para Minas para falar sobre o desaparecimento das montanhas - que são fundamentais para mim.

Não se nasce mulher, se torna mulher. Não se nasce mãe, se torna mãe. Como tem sido a jornada solo?
Nasci como mãe no meu parto. Uma transformação forte, foram 27 horas de trabalho de parto, e não tinha nem planejado, não sabia que seria mãe. Tive três cirurgias no útero, de endometriose, não era uma certeza na vida de que conseguiria ser mãe. De repente, me assustei grávida. Engravidei durante a pandemia, enquanto fazia trabalho de campo em Minas, documentando o que estava ocorrendo nas comunidades mineradoras, os abusos e avanços, aproveitando que todo mundo estava focado na COVID-19. Então, foi um susto, estava no meio do mestrado e, ao mesmo tempo, mágico. A maternidade me deixou mais focada, centrada, passei a relativizar tudo e ter uma outra relação com a terra. Minha tese é sobre Minas e a conexão com a terra e que minha filha, Stella, mesmo longe, me faz continuar ligada a Minas Gerais. Ser mãe solo é difícil, quando se está longe de casa, e com minhas decisões de vida, aumenta a dificuldade porque não tem as mães, os pais e amigos de infância por perto. Ao mesmo tempo, há anos estou acostumada a ser solo na vida, então, encaro como um novo desafio, de maneira independente. Não é fácil de jeito nenhum. Sou mãe solo sim, mas sozinha nunca.

E a Júlia ativista? Como nasceu?
Como nasce uma ativista? Desde temprana idade sempre imaginei, quis e sabia que iria trabalhar dentro da política de alguma forma. Aos 30 anos, tive uma mudança brusca de carreira, mudei o caminho para trabalhar com temas sociais, com a certeza de que reformas sociais precisam existir. O fato de estar longe e depender de um aeroporto para chegar a BH fez com que eu ficasse atenta a todas as mudanças no entorno de Confins. Minas Gerais está virando um queijo suíço e não falamos sobre isso. Só naquele entorno, Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Confins e um pouco mais ao norte, Prudente de Morais, uma área muito restrita - são 30 licenças ativas de mineração. O território de Minas é todo recortado, praticamente signado, o que é de quem no subsolo mineiro. Com licenças ativas ou para pesquisa, requerimento de lavra ou alguma outra autorização e as cavas se tornando cada vez maiores. Fora as minas na região de Nova Lima, Serra do Curral, então, o que me interessava muito era porque não se fala tanto sobre isso? Foi o meu despertar.

Como surgiu seu projeto de fotos aéreas das áreas de mineração? 
Não se fala do assunto porque, primeiro, é cultural e, depois, pelo fato do relevo e das montanhas tamparem sempre as minas. Preserva-se a parte visível da montanha, como é o caso de Conceição do Mato Dentro. Só consegui colocar em prática este projeto de fotografar as áreas de cima depois de Mariana, porque houve uma sensibilização, com mais pessoas acreditando que havia algo. Fotografei de cima o território e as minas perto do Quadrilátero Ferrífero. Eu me assustei, chorava muito, principalmente no voo que percorri o caminho da lama. Há muitas pessoas sofrendo, principalmente quando se percebe de cima o nível e a dimensão de tudo, é inacreditável. Para mim, é a necessidade das pessoas que são vítimas todos os dias da mineração, com dificuldades graves, numa região tão rica, não terem as necessidades básicas atendidas. A mineração, por mais que explore, não retribui. Isso me faz mobilizar neste lugar.

Minas, sua terra, e a mineração. Como entende este chão de montanhas, muitas já ocas?
Tenho uma relação com a terra e as montanhas de Minas visceral. Passo pelas estradas perto de Itabirito e aquele buraco parece que é em mim. Hoje, tento entender ao ler Aílton Krenak, por exemplo, a relação de olhar para montanha com um olhar da nossa própria existência. Uma mineradora demora 30, 40 anos numa mina, e parece muito tempo, não é? Mas se olhar os 2; 2,5 bilhões de anos que uma montanha mineira demorou no geral para ser formada, os veios do ferro, isso é que é muito tempo. E num piscar de olhos as montanhas desapareceram. Como viveremos o resto da vida sem aquele recurso? É preciso pesquisar, saber, pensar neste lugar em que a destruição só aumenta e acelera, principalmente, a partir dos anos 2000, desde a privatização da Vale, desde que o capital estrangeiro teve permissão para investir em mineração no Brasil, com a reforma constitucional de 1995. O que fazer para olhar para a montanha, não como um objeto inanimado, mas sim um ser que vive, como os povos tradicionais nos ensinam, em uma outra velocidade, outra dimensão, que não é a nossa. As montanhas mudam, sim, de lugar, só que sua velocidade é menor do que a nossa ínfima vida neste universo é capaz de perceber. Este é o convite que faço a partir da minha obra e trabalho artístico.

Com que ferramentas enfrenta preconceitos, a mulher no mercado de trabalho, a mãe, o sexismo... Qual é o seu olhar?
É tão mais difícil para a mulher do que para o homem ser valorizada, ter o trabalho respeitado, que a gente dá conta... E isso é o tempo todo. Já é difícil porque sou uma mulher de pele clara, imagina para uma mulher negra e periférica? E isso quando traduzo por estar aqui, eu que vim de Minas, de um lugar de privilégio, estudei nas escolas da Zona Sul de BH, portanto, tudo era mais fácil, mesmo assim, ainda é difícil. E quando venho para os EUA, tenho a noção de que a cor da pele não está relacionada com a questão racial, ser mulher latina aqui é muito mais difícil. Existe o estigma do que somos capazes de fazer, há menos oportunidades. A gente fala de equidade de gênero achando que a regra é igual para todo mundo, mas não tem jeito, porque homens e mulheres têm realidades diferentes. E geralmente a produtividade da mulher, que é altíssima, se dá de maneira diferente da masculina. Vejo na minha maternidade: as pessoas esperam que eu esteja disponível para responder prontamente, o que é difícil. Minha realidade é outra, o que não quer dizer que não vou me dedicar ao trabalho, que agora funciona de outra maneira, como mãe. É uma resistência, uma luta e uma conversa longa e sem resposta, porque a estrutura, as leis são para privilegiar um grupo de pessoas, principalmente os homens brancos.

Você enfrentou um abuso. O machismo continua intrínseco na sociedade, como superar?
A pergunta me deixou reflexiva. Eu, com todas as ferramentas, questiono, penso, falo sobre preconceito, questões raciais, tenho a visão crítica e, mesmo assim, fui vítima de uma relação abusiva. O genitor da minha filha é uma pessoa abusiva e foram meses de sofrimento e, por medo, nunca compartilhei essa história. Então, imagina quem está arraigada, que não pode questionar, levada a pensar que a culpa é sempre da mulher... A mulher, às vezes, está tão acostumada a ser tratada de uma maneira, que passa a ver aquilo como normal, ser silenciada e que o homem pode explodir. Não, não é.  Acho importante falar da minha história para que outras mulheres, maltratadas, possam ver. Muitas quando têm sua própria história questionada são levadas a acreditar que valem menos do que valem. Espero que elas vejam outras histórias e possam procurar caminhos, porque há outras possibilidades.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade