UAI
Publicidade

Estado de Minas CÂMARA DOS DEPUTADOS

CPI da Petrobras: veja o que pensam os políticos sobre o assunto

Incentivada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e apoiadores, CPI para investigar a Petrobras e os preços dos combustíveis está caminhando na Câmara


21/06/2022 15:07 - atualizado 21/06/2022 15:28

Logo da Petrobras em prédio
Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) seria criada para investigar a Petrobras e os preços dos combustíveis adotados pela estatal está caminhando na Câmara dos Deputados (foto: PETROBRAS/REPRODUÇÃO)
Incentivada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e apoiadores, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Petrobras e os preços dos combustíveis adotados pela estatal está caminhando na Câmara dos Deputados. A ação vem repercutindo no mundo político.



De um lado, políticos alinhados com a esquerda acusam o presidente de tentar desviar a atenção da alta dos preços dos combustíveis tendo em vista a chegada das eleições. Já políticos alinhados com o presidente, apoiam a decisão e afirmam que o governo precisa investigar casos de corrupção dentro da empresa.


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que não vê a "mínima razoabilidade" para a abertura de uma CPI contra a Petrobras.

Ao sair do Supremo Tribunal Federal (STF), onde reuniu-se para um café da manhã com o ministro Luiz Fux, Pacheco disse a jornalistas que não cabia a ele, como presidente do Senado, opinar sobre iniciativas da Câmara dos Deputados, mas que pessoalmente não era favorável à ideia.


"Acho que não tem a mínima razoabilidade de uma CPI em um momento desse, por um fato desses. Acho que há outras medidas, inclusive de índole legislativa e do Poder Executivo, muito mais úteis para resolver o problema que uma CPI.”

No Twitter, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) repercutiu a notícia. “Nós não temos uma governança normal nesse país. Essa CPI da Petrobrás é uma absurdo. Bolsonaro todo dia quer jogar a responsabilidade da sua incapacidade em cima dos outros.”



Quem também repercutiu o assunto foi a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. Para ela, essa é mais uma tentativa do presidente de privatizar a estatal. “A CPI da Petrobras é mais uma tentativa de desviar a atenção de quem é o verdadeiro responsável pelos preços extorsivos dos combustíveis, o governo Bolsonaro”, disse.

“Para baixar os combustíveis tem de mudar a política de preços. Querem criminalizar a empresa para privatizar! Irresponsáveis”, completou.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) também repudiou a ação. Para ele, a CPI faz parte de um “teatrinho”.

“O governo da morte, da milícia, da miséria, da mamata e da mentira monta o teatrinho de CPI. Enquanto faz fumaça, os preços do gás, do diesel e da gasolina seguem aumentando. Cadê a [caneta] bic do presidente, o Centrão levou?”, disse Calheiros.

Apesar das críticas, apoiadores do presidente incentivam a criação da nova CPI. Segundo o filho “02” e vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ), “fizeram de tudo para implementar a CPI da COVID” mas, agora, são contra a da Petrobras.

O também filho do presidente e deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi ao Plenário discutir o assunto. “Eu estou vendo vários deputados do PT dizerem que o presidente é culpado pela alta dos combustíveis. E que poderia fazer assim ou assado. Mas eles não têm moral porque foram eles que assaltaram a empresa. Petista falando da Petrobras é piada”, afirmou.




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade