UAI
Publicidade

Estado de Minas CPI DA COVID

Marcos Rogério sobre nova CPI: 'Querem fazer palanque sobre caixões'

De acordo com o senador, nova CPI da COVID é tentativa de influenciar o resultado das eleições presidenciais prejudicando Jair Bolsonaro (PL)


17/01/2022 16:04 - atualizado 17/01/2022 16:42

Em pronunciamento, à bancada, senador Marcos Rogério (DEM-RO)
Senador Marcos Rogério (DEM-RO) (foto: Roque de Sá/Agência Senado)
O senador Marcos Rogerio (DEM-RO) afirmou, nesta segunda-feira (17/1), que o pedido de abertura de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID, feito pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), é uma tentativa de influenciar o resultado das eleições presidenciais, prejudicando Jair Bolsonaro (PL). 


“A CPI foi palco de maus-tratos, de abuso de autoridade, de desrespeito às regras basilares do devido processo. Não se respeitou nada…Isso é a evidência cabal de que a CPI não cumpriu o seu papel”, disse o senador.
 
Para Rogério, que ganhou notoriedade por participar do “esquadrão bolsonarista” da CPI, os senadores da oposição estão criando um palanque sobre as mortes por COVID-19 no Brasil. 
 
“Ao tentar recriar uma CPI aqui, com todo respeito, tentam criar um ambiente para o embate político no jogo pré-eleitoral. Porque, do ponto de vista processual, faltou lá [cumprir a função de CPI] e vai faltar aqui. Querem fazer palanque sobre caixões. Eu não tenho dúvida disso. É o culto ao caos”, disse o senador para o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News.
 
De acordo com Rogério, o mundo está com problemas por conta da pandemia. “Países avançados, desenvolvidos, estão com problema. Israel está indo agora para a quarta dose da vacina, e os números continuam preocupantes. Na Europa a situação é crítica. No Brasil respostas têm sido dadas tanto pelos municípios, pelos estados, mas sobretudo pelo governo federal, que é quem compra a vacina e quem dá as condições de logística e os grandes investimentos para o enfrentamento”, criticou.
 
Para o senador, não houve nenhum tipo de omissão do governo Bolsonaro na compra de vacinas para crianças de 5 a 11 anos. O presidente é contra a imunização dessa faixa etária. “O Ministério da Saúde agiu dentro do prazo, a partir da decisão da Anvisa de autorizar a imunização de crianças. Eu não tenho dúvida de que é uma uma tentativa lamentável, porque isso não contribui com o processo de enfrentamento à pandemia”, disse Rogério. 
 
O senador deve ser o próximo a assumir a liderança do governo no Senado, no lugar de Fernando Bezerra (MDB-PE).  Bezerra deixou o cargo em dezembro do ano passado.
 
 

Nova CPI

 
Na semana passada,  Randolfe Rodrigues, que foi vice-presidente CPI, anunciou que protocolou um requerimento para abertura de uma nova investigação. De acordo com o senador, essa CPI deve investigar  as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da COVID-19 no Brasil a partir de novembro de 2021.

Caso seja aprovada, nova CPI terá como foco:


- Atraso e insuficiência na vacinação infantil; 
- A insuficiência de provisão para doses de reforço em 2022;
- Os ataques do presidente da República aos técnicos da Anvisa e à vacinação da população adulta e infantil;
- A insuficiência da política de testagem; e o apagão de dados do Ministério da Saúde com as suas consequências no correto monitoramento da evolução da pandemia.

A primeira CPI


A CPI da COVID chegou ao fim em outubro de 2021, na véspera de completar seis meses de atividades. O texto aprovado como relatório final foi escrito pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e recomenda o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (PL) pela prática de nove infrações. 

Além de Bolsonaro, três filhos do presidente não foram poupados pelo relator, que os acusou da prática de incitação ao crime: o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Além deles, Renan Calheiros identificou infrações penais cometidas por duas empresas, a Precisa Medicamentos e a VTCLog, e por outras 74 pessoas. Entre elas, deputados, empresários, jornalistas, médicos, servidores públicos, ministros e ex-ministros de Estado.  
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade