Publicidade

Estado de Minas DISPUTA POLÍTICA

Vereador é preso suspeito de ser o mandante de incêndio em unidade de saúde

Além do parlamentar de Orizânia, na Zona da Mata, a Polícia Civil prendeu dois homens apontados como executores do crime


30/07/2021 13:43 - atualizado 30/07/2021 19:43

Mandante e executores do atentado contra UBS, em Orizânia, foram presos durante a Operação Héstia(foto: PCMG/Divulgação)
Mandante e executores do atentado contra UBS, em Orizânia, foram presos durante a Operação Héstia (foto: PCMG/Divulgação)
O vereador Sergio Magela Ribeiro (PPS), de 52 anos, popularmente conhecido como César da Preta, foi preso na manhã desta sexta-feira (30/7) pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) em Orizânia, na Zona da Mata, suspeito de ser o mandante do incêndio em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) do município em 12 de maio.
 
Na ação deflagrada durante a Operação Héstia por policiais civis das cidades de Divino, Carangola e Muriaé também foram cumpridos mandados de prisão preventiva contra outros dois homens, de 21 e 27 anos. As investigações apontam que eles seriam os executores do crime.
 
Conforme o delegado Cristiano Silva de Almeida, o incêndio teria ocorrido em razão de desavenças políticas.
 
“O vereador contratou duas pessoas e, mediante pagamento de certa quantia em dinheiro, determinou que elas ateassem fogo na Unidade Básica de Saúde da cidade. Durante as diligências, foi apurado que os suspeitos ameaçaram testemunhas e coagiram uma pessoa a assumir a autoria do delito”, informou Almeida.
 
“O incêndio provocou não somente uma destruição patrimonial, mas moral à população de Orizânia”, destacou o delegado titular da Polícia Civil na comarca de Divino.
 
Ainda segundo a PCMG, os suspeitos foram encaminhados à unidade policial e, posteriormente, serão conduzidos ao sistema prisional, onde permanecerão à disposição da Justiça.
 
Os nomes dos envolvidos não foram informados. Em nota, a PCMG disse que “não divulga e/ou confirma dados de suspeitos, envolvidos em atos ilícitos, devido à Lei de Abuso de Autoridade”.
 
Em conversa com o Estado de Minas no início da noite desta sexta-feira, o presidente da Câmara Municipal de Orizânia, André de Assis, disse que só irá se pronunciar sobre o caso após o término das investigações. 

Conforme apurado pela reportagem junto ao Legislativo da cidade, o vereador suspeito de ser o mandante do atentado contra a UBS segue no quadro de funcionários do órgão municipal.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade