UAI
Publicidade

Estado de Minas GOLPE MILITAR

Ciro Nogueira repassou ameaça de Braga Netto a Arthur Lira, dizem fontes

Ministro Braga Netto mandou o recado de que não haveria eleições em 2022 se não houvesse voto impresso auditável, segundo o jornal Estado de S. Paulo


22/07/2021 21:24 - atualizado 22/07/2021 21:36

Ministro da Defesa do governo Bolsonaro, Braga Netto nega que tenha feito ameaças(foto: Evaristo Sa/AFP)
Ministro da Defesa do governo Bolsonaro, Braga Netto nega que tenha feito ameaças (foto: Evaristo Sa/AFP)
Integrantes do governo e do Congresso garantem que foi o senador Ciro Nogueira (PP-PI) quem repassou a ameça do ministro da Defesa, general Braga Netto, "de que não haveria eleições em 2022 se não houvesse voto impresso auditável", ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Braga Netto, do alto de sua arrogância e de seu bolsonarismo exacerbado, acreditou que poderia intimidar o Congresso ao ameaçar o país com um golpe militar.

Ciro e Lira, que de bobos não têm nada, se aproveitaram do fato para disparar um tiro no ministro e nos principais militares que ocupam cargos estratégicos no Planalto.

Leia também: Renan Calheiros pede exoneração de Braga Netto por ameaça às eleições

Como dizem integrantes do governo, foi a vingança do Centrão, que foi levado para o governo pelas mãos do militar mais próximo do presidente Jair Bolsonaro, o general Luiz Eduardo Ramos, que está perdendo a Casa Civil para Ciro Nogueira.

Foi Lira quem fez chegar o delírio de Braga Netto ao jornal Estado de S. Paulo. Os personagens principais desta crise continuarão negando oficialmente o que fizeram e falaram.

Mas todos sabem que Braga Netto ameaçou, sim, com um golpe militar. E que tanto Ciro quanto Lira decidiram posar de protetores da democracia.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade