Publicidade

Estado de Minas MANIFESTO

Ciro, Doria, Mandetta e outros presidenciáveis assinam carta por democracia

Seis possíveis candidatos à presidência em 2022 lançaram um manifesto em defesa da Constituição Federal e contra o autoritarismo


31/03/2021 20:43 - atualizado 31/03/2021 21:41

Seis presidenciáveis assinaram manifesto em defesa da democracia(foto: Reprodução)
Seis presidenciáveis assinaram manifesto em defesa da democracia (foto: Reprodução)
Um manifesto em defesa da democracia, da Constituição Federal de 1988 e contra o autoritarismo foi lançado, na noite desta quarta-feira (31/03), por seis possíveis candidatos à presidência da República em 2022. O texto foi assinado pelos governadores João Doria (PSDB-SP) e Eduardo Leite (PSDB-RS); pelo ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS); pelo apresentador Luciano Huck e pelos ex-candidatos à presidência em 2018, João Amoêdo (Novo) e Ciro Gomes (PDT).

Na carta, o grupo afirma que a "democracia brasileira é ameaçada" e que "cabe a cada um de nós defendê-la e lutar por seus princípios e valores". O manifesto dos presidenciáveis foi publicada dias depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demitir o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, além dos comandantes das Forças Armadas (Exército, Aeronáutica e Marinha).

“Não há Democracia sem Constituição. Não há liberdade sem justiça. Não há igualdade sem respeito. Não há prosperidade sem solidariedade”, disse o grupo na carta.

De acordo com o "Estadão", a produção da carta foi uma iniciativa de Luiz Henrique Mandetta, que procurou os demais signatários nessa terça-feira (30/03). Ao veículo, Luciano Huck disse que fez parte da confecção do documento por ele ser apartidário.

"Pessoalmente, assinei por ser um ponto que não podemos abrir mão: nossa liberdade e democracia. E por ser apartidário e não fulanizado", disse o apresentador.

O "Estadão" também informou que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro, Sergio Moro, também foi procurado para assinar o documento, mas alegou "impedimentos profissionais" para não participar.

Veja, na íntegra, o manifesto dos presidenciáveis


Muitos brasileiros foram às ruas e lutaram pela reconquista da Democracia na década de 1980. O movimento “Diretas Já”, uniu diferentes forças políticas no mesmo palanque, possibilitou a eleição de Tancredo Neves para a Presidência da República, a volta das eleições diretas para o Executivo e o Legislativo e promulgação da Constituição Cidadã de 1988. Três décadas depois, a Democracia brasileira é ameaçada.

A conquista do Brasil sonhado por cada um de nós não pode prescindir da Democracia. Ela é nosso legado, nosso chão, nosso farol. Cabe a cada um de nós defendê-la e lutar por seus princípios e valores.

Não há Democracia sem Constituição. Não há liberdade sem justiça. Não há igualdade sem respeito. Não há prosperidade sem solidariedade.

A Democracia é o melhor dos sistemas políticos que a humanidade foi capaz de criar. Liberdade de expressão, respeito aos direitos individuais, justiça para todos, direito ao voto e ao protesto. Tudo isso só acontece em regimes democráticos. Fora da Democracia o que existe é o excesso, o abuso, a transgressão, o intimidamento, a ameaça e a submissão arbitrária do indivíduo ao Estado.

Exemplos não faltam para nos mostrar que o autoritarismo pode emergir das sombras, sempre que as sociedades se descuidam e silenciam na defesa dos valores democráticos.
 
Homens e mulheres desse país que apreciam a LIBERDADE, sejam civis ou militares, independentemente de filiação partidária, cor, religião, gênero e origem, devem estar unidos pela defesa da CONSCIÊNCIA DEMOCRÁTICA. Vamos defender o Brasil.

CIRO GOMES,

EDUARDO LEITE,

JOÃO AMOEDO,

JOÃO DORIA,   

LUCIANO HUCK,

LUIZ HENRIQUE MANDETTA


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade