Publicidade

Estado de Minas PRONUNCIAMENTO

Na pior fase da pandemia, Bolsonaro diz : 'Em breve retomaremos nossa vida'

Afirmação do presidente se deu em um dia em que o Brasil bateu recorde de mortes registradas em 24h pela COVID-19, com 3.251 vidas perdidas


23/03/2021 21:34 - atualizado 23/03/2021 21:55

'Muito em breve retomaremos nossa vida normal', disse Bolsonaro no dia em que o Brasil registrou 3.251 mortes em 24 horas(foto: Isac Nóbrega/PR)
'Muito em breve retomaremos nossa vida normal', disse Bolsonaro no dia em que o Brasil registrou 3.251 mortes em 24 horas (foto: Isac Nóbrega/PR)
Em pronunciamento na noite desta terça-feira (23/3), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que o Brasil, "muito em breve", retomará a vida normal. A afirmação de Bolsonaro se deu em um dia em que o país bateu recorde de mortes registradas em 24h pela COVID-19, com 3.251 vidas perdidas.

No discurso, Bolsonaro disse que vacinas estão garantidas e que a expectativa é que até o fim do ano mais de 500 milhões de pessoas estejam imunizadas.

“Quero tranquilizar o povo brasileiro e afirmar que as vacinas estão garantidas. Ao final do ano, teremos alcançado mais de 500 milhões de doses para vacinar toda a população. Muito em breve retomaremos nossa vida normal”, disse o presidente.

Confira: Governo reduz previsão e entregará 10 milhões de vacinas a menos em abril

A vida normal dita por Bolsonaro parece estar longe de se tornar realidade.

O triste recorde de mortes aproximou o Brasil das 300 mil vidas perdidas por causa da COVID-19.

Até o momento, 298.676 pessoas morreram pela doença. Além dos números impressionantes, a crise na saúde brasileira pede socorro.

Houe protestos em várias partes do Brasil, com panelaços e gritos de "genocida" e "assassino", durante os minutos em que o presidente falou em rede nacional.

Sem leitos disponíveis


Nesta terça-feira, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) emitiu um alerta para quase todos os estados do Brasil que estão em estado crítico em termos de ocupação de leitos de terapia intensiva.

Somente Amazonas e Roraima não estão na lista.

No restante do país, a Fiocruz calcula demandas entre 90% e 100%. Por isso, sugeriu para que unidades federativas que estejam com taxas altas restrinjam o funcionamento do comércio não-essencial por 14 dias.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade