Publicidade

Estado de Minas GOVERNO BOLSONARO

Augusto Heleno chama críticos de 'desinformados' ao refutar averiguação de currículos pelo GSI

Ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional afirmou que não cabe à pasta fazer esse tipo de serviço


postado em 30/06/2020 19:20 / atualizado em 30/06/2020 20:19

General Augusto Heleno afirmou que o GSI não poderia averiguar currículos de possíveis ministros(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
General Augusto Heleno afirmou que o GSI não poderia averiguar currículos de possíveis ministros (foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do governo Bolsonaro, o general Augusto Heleno refutou as críticas de que a pasta comandada por ele poderia ter protegido a Presidência da República ao examinar e referendar o currículo do ex-ministro da Educação Carlos Decotelli, evitando assim mais desgastes ao Planalto.


Entre os pontos contestados estão as afirmações de que Decotelli havia sido professor na Fundação Getúlio Vargas (FGV), além da obtenção de doutorado na Universidade de Rosário, na Argentina, e pós-doutorado na Universidade de Wuppertal, na Alemanha.

As três instituições desmentiram o economista.

Questionado, Heleno chamou os críticos de ‘desinformados’ e afirmou que não cabe ao GSI ou à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) examinar currículos de quem está para assumir algum ministério, e que essas informações são de responsabilidade de cada profissional.

O general elencou quais os casos são averiguados pela pasta.

“Aos desinformados: o GSI/ABIN examinam, sobre quem vai ocupar cargos no Governo, antecedentes criminais, contas irregulares e pendentes, histórico de processos e vedações do controle interno. No caso de Ministros, cada um é responsável pelo seu currículo”, publicou em sua conta no Twitter.


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade