Publicidade

Estado de Minas VAZAMENTOS

Anonymous divulga dados sigilosos de Bolsonaro, dos filhos e de ministros

Anonymous Brasil começou a série de publicações na noite desta segunda-feira (1º/6). As informações sigilosas divulgadas incluem salário, endereço, nota de avaliação de entidades de crédito, bens, entre outros


postado em 01/06/2020 22:59 / atualizado em 02/06/2020 00:21

Entre os nomes que tiveram informações sigilosas reveladas estão o presidente Jair Bolsonaro (foto) e os filhos Flávio, Carlos e Eduardo(foto: Marcos Corrêa/PR)
Entre os nomes que tiveram informações sigilosas reveladas estão o presidente Jair Bolsonaro (foto) e os filhos Flávio, Carlos e Eduardo (foto: Marcos Corrêa/PR)
O perfil Anonymous Brasil divulgou no Twitter, na noite desta segunda-feira (1º/6), dados pessoais de diversas autoridades da República. Entre os nomes que tiveram informações sigilosas reveladas estão o presidente Jair Bolsonaro e os filhos Flávio, Carlos e Eduardo. Ministros, como o da Educação, Abraham Weintraub; e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, também tiveram os dados divulgados. 

O grupo, que criou o perfil na rede social em janeiro de 2012, também revelou informações do empresário Luciano Hang, dono da rede Havan; e do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP). As informações sigilosas divulgadas incluem salário, endereço, nota de avaliação de entidades de crédito, bens, dívidas registradas, capacidade de pagamento de contas, entre outros.
 
Douglas Garcia, inclusive, já se posicionou sobre a ação do grupo: "Anonymous Brasil, de forma criminosa, acaba de divulgar todos os meus dados nas redes sociais. Para que colocar os meus familiares em risco? Para que divulgar o endereço de minha casa? Os lugares em que trabalhei? Estou indo agora mesmo na delegacia fazer um boletim de ocorrência".



Depois da divulgação dos dados, o perfil do Anonymous Brasil se pronunciou: "Estamos apenas alinhando e juntando nossa frota, novamente em escala global".

Às 23h15, o Anonymous Brasil informou que os dados foram "banidos" da plataforma escolhida, mas que o grupo iria subi-los novamente para a internet.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade