Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Deputado Edson Moreira sobre apoio a Bolsonaro: 'É lógico que me arrependi'

Em conversa com o Estado de Minas, parlamentar ratificou a frase dita nas redes sociais nesta quinta-feira (28)


postado em 28/05/2020 17:33 / atualizado em 28/05/2020 18:04

(foto: Reprodução/Agência Brasil)
(foto: Reprodução/Agência Brasil)
Ex-aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Edson Moreira (PR-MG) afirmou via Twitter nesta quinta-feira (28) que se arrependeu de ter apoiado o chefe do Executivo federal. Questionado por um eleitor sobre a decisão tomada no segundo turno do pleito de 2018, o deputado afirmou que apesar de ter se arrependido vai lutar "com todas as armas democráticas contra a ditadura e coisas contrárias à saúde e segurança pública da população”. Em conversa com o Estado de Minas, Edson Moreira ratificou a frase.

“Todo mundo está vendo que ele está fazendo com o país, eu compactuo com o juiz Sergio Moro mesmo antes de toda essa confusão. Lógico que me arrependi, não apoio ele nem esse governo”, disse o deputado.

Quando questionado sobre vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, o deputado federal afirmou que “aquilo não é reunião ministerial”. Diz que, depois de considerar todos os indícios, ver o video e os áudios, considera que está “provado que Bolsonaro tentou sim interferir na polícia federal”.

O deputado ainda manifestou apoio ao ex-ministro da Saúde Nelson Teich, que deixou o governo menos de um mês depois de assumir o cargo. “Olha, as coisas que ele (Bolsonaro) fala durante a pandemia, é uma pena que o ex-ministro (Teich) tenha saído. Ele era muito bom, tinha um bom plano de testagem”, afirmou o parlamentar.

Durante as eleições de 2018, Edson Moreira foi grande apoiador do presidente. Apesar disso, ele reitera nas redes que a “escolha do povo nas eleições de 2018 interfere gravemente na situação do Brasil, perante a comunidade internacional, nosso meio ambiente, a estabilidade democrática do país, apresentando um novo e sério problema de governabilidade.”
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade